Número de mortos em Moçambique pode ultrapassar 1.000, mais de 15.000 pessoas estão desaparecidas após destruição massiva do Ciclone Tropical "Idai".

MAIS NOTÍCIAS

Milhares de pessoas ainda precisam ser resgatadas após um ciclone devastador atingir os países da África Austral. Espera-se que o número de mortos atinja pelo menos 1.000 pessoas, com uma estimativa de 15.000 pessoas ainda desaparecidas. Os sobreviventes estão enfrentando uma crise humanitária, com os sistemas de água e saneamento fortemente danificados pela tempestade.

Milhares de pessoas estão fazendo uma viagem sinistra até à cidade da Beira, em Moçambique, que, embora fortemente danificada, é agora um centro de esforços de salvamento. Alguns caminhavam por estradas esculpidas pelas águas revoltas, enquanto outros eram transportados por pescadores locais. Helicópteros saíram à chuva para mais um dia de esforços para encontrar pessoas agarradas a telhados e árvores. O número confirmado de mortes no Zimbábue, vizinho de Moçambique e Maláui, superou 500 na quinta-feira, com centenas mais temidas em áreas totalmente submersas pelo ciclone Idai. Aqueles que chegam à Beira …

Líder italiano celebra vitória de Bolsonaro e pede extradição de Cesare Battisti

Condenado à perpétua na Itália por homicídio, vive livre no Brasil.
Matteo Salvini disse que virá pessoalmente "pegar o terrorista vermelho"


O ministro do Interior e vice-premiê da Itália, Matteo Salvini, celebrou nesta segunda-feira (29) a possibilidade de extradição de Cesare Battisti diante da vitória de Jair Bolsonaro (PSL) na eleição do Brasil.

Principal líder da extrema-direita italiana, Salvini parabenizou Bolsonaro e comemorou a derrota da esquerda brasileira, acrescentando que está pronto para vir pessoalmente ao Brasil "para pegar o terrorista vermelho", referindo-se à extradição de Cesare Battisti . "Não vejo a hora de encontrar o novo presidente Bolsonaro. Ficarei feliz em ir pessoalmente ao Brasil para pegar o terrorista vermelho Cesare Battisti e levá-lo para a cadeia", disse.

Ainda durante sua campanha, Bolsonaro fez questão de deixar claro que asseguraria o envio de Battisti à Itália em caso de vitória.

“Como já foi falado, reafirmo aqui meu compromisso de extraditar o terrorista Cesare Battisti , amado pela esquerda brasileira, imediatamente em caso de vitória nas eleições. Mostraremos ao mundo nosso total repúdio e empenho no combate ao terrorismo. O Brasil merece respeito”, escreveu Bolsonaro.

Mesmo sendo vice-primeiro-ministro, Matteo Salvini se tornou a principal figura do governo italiano tanto no cenário interno como internacionalmente. Como secretário da Liga, ele também é o líder do principal partido de extrema direita na União Europeia atualmente.

Condenado por assassinato e terrorismo na Itália, Battisti é ex-guerrilheiro do grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) e conseguiu ficar no Brasil graças a uma decisão do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

No entanto, com a ascensão de Michel Temer ao poder, a Itália apresentou um novo pedido de extradição, que foi aceito pelo governo. Battisti, contudo, conta com uma liminar em seu favor do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux, relator do processo que julgará se Temer pode reverter a decisão de Lula.

Em outubro do ano passado, Battisti foi preso próximo à fronteira com a Bolívia em meio à reabertura de seu processo de extradição pelo governo de Michel Temer, a pedido da Itália, que se aproveitou da troca de poder no Planalto para tentar reaver o ex-membro da milícia de extrema esquerda.
Com a eleição de Bolsonaro, a extradição de Cesare Battisti agora surge como questão de tempo.

*Com informações e reportagem da Ansa
Fonte: Último Segundo - iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2018-10-29/extradicao-de-cesare-battisti-jair-bolsonaro.html