TERREMOTO - Goiás foi atingido por dois terremotos em menos de uma hora.

MAIS NOTÍCIAS

O Observatório Sismológico da UnB registrou dois terremotos de magnitudes 3.5 e 3.0 na cidade de em Aruanã, no interior de Goiás. Não houve registro de danos.


Fique ligado! Acompanhe nosso SITE! Monitore as tempestades AQUI Monitore o SolAQUI
MAIS NOTÍCIAS

O homem que colocou a cabeça dentro de um acelerador de partículas.

MAIS NOTÍCIAS

Em 1978, um cientista soviético foi bombardeado por um raio mortal de radiação que disparou um buraco na cabeça dele. Milagrosamente, ele sobreviveu e se tornou um assunto de pesquisa científica.




Um flash “mais brilhante que mil sóis” foi o que Anatoliy Bugorsky viu em 13 de julho de 1978, quando sua cabeça foi perfurada por um feixe de prótons de 76 GeV. Como o físico lembra, ele não sentiu dor, mas sabia que haveria consequências a longo prazo.

O físico soviético de 34 anos trabalhava no Instituto de Física de Altas Energias (IHEP) da cidade de Protvino, na região de Moscou. Ele estava operando o U-70, um síncrotron de prótons que na época detinha o recorde mundial em energia de feixe.

O princípio síncrotron é usado no famoso Large Hadron Collider, e o dispositivo acelera as partículas atômicas a velocidades muito altas, colidindo-as em tubos a vácuo. Mais tarde, as partículas resultantes da colisão são estudadas. No final dos anos 1970, os soviéticos planejavam construir seu próprio colisor em Protvino, e a sub-70 era uma parte intrínseca dela.

A parte do dispositivo que Bugorsky mantinha o colocou no caminho do feixe de prótons emitido pelo síncrotron. Ele disse ao centro de controle para desligar o feixe "em 5 minutos", mas ele estava no local um minuto ou dois mais cedo. A porta do pavilhão experimental permaneceu aberta por engano após o experimento anterior, e o sinal de alerta indicando que o feixe ainda estava ativo estava de fato fora de ordem devido a uma lâmpada defeituosa.


Bugorsky entrou no salão para inspecionar o dispositivo, quando de repente uma viga de 2x3 mm de diâmetro perfurou a parte de trás do crânio, queimando um pequeno orifício no ouvido médio e no osso da têmpora e saindo perto da narina esquerda. Em uma fração de segundo, Bugorsky foi exposto a uma dose de radiação de 200.000 a 300.000 Roentgen, uma dose 300 vezes maior que a quantidade letal.

Bugorsky completou seu trabalho de manutenção e deixou um registro em seu diário. Como um físico experiente, formado no Instituto de Física de Engenharia de Moscou, ele sabia que o acidente era altamente incomum. No entanto, com medo das consequências (o IHEP era uma instalação secreta), ele não relatou imediatamente o incidente e voltou para casa, onde sua condição piorou. A metade esquerda do rosto rapidamente ficou inchada, então na manhã seguinte, Bugorsky apresentou um relatório e imediatamente foi levado para Moscou.

Bugorsky foi internado na unidade de terapia intensiva de um hospital especializado como o primeiro paciente exposto a uma dose tão poderosa de radiação. Um de seus médicos era Angelina Guskova, uma importante radiologista russa que, em 1986, supervisionou a assistência às vítimas do desastre de Chernobyl. Todas as informações relacionadas ao tratamento e recuperação de Bugorsky permanecem classificadas, mas seu caso foi completamente pesquisado.

No começo, todos pensavam que o físico não conseguiria, mas em 18 meses ele voltou ao trabalho. Bugorsky disse (link em russo) sua "paixão pela vida por esportes" ajudou-o a recuperar.

"Eu era um dos melhores jogadores de futebol e basquete do IHEP, e andava de bicicleta mesmo no inverno", disse ele. Bugorsky conta a história de quase morrer pelo menos duas vezes. Durante seu primeiro ano de vida, quando as tropas nazistas devastaram sua aldeia na região de Orel, ele foi “tirado de sua mãe e jogado para fora da casa”, mas ele de alguma forma não congelou até a morte depois de várias horas na neve.

Mais tarde, em sua adolescência, ele sofreu fortes convulsões depois de tocar um fio elétrico. Muitos anos após o incidente, em uma entrevista, ele disse que achava que seria um bom assunto para pesquisa, e o que aconteceu foi um "teste não intencional da guerra de prótons". Eu estou sendo testado. A capacidade humana de sobrevivência está sendo testada ”.

As consequências

Bugorsky perdeu completamente a audição em sua orelha esquerda, e o lado esquerdo de seu rosto permaneceu parcialmente paralisado e estranhamente jovem. Ele experimentou numerosas crises epilépticas e nada menos do que seis grandes apreensões, mas que diminuíram com o tempo.


Por mais de uma década após o incidente, duas vezes por ano, Bugorsky foi ao hospital para ser examinado e conversar com outras vítimas de desastres relacionados à radiação. "Como ex-presos, estamos sempre cientes um do outro", diz ele. "Não há muitos de nós e conhecemos as histórias de vida uns dos outros. Geralmente, são contos tristes."

Suas habilidades intelectuais, no entanto, não foram prejudicadas, mas surtos de fadiga aumentaram drasticamente. Ele foi capaz de terminar o Ph.D que ele estava trabalhando antes do acidente. Mais tarde, ele e sua esposa tiveram um filho, Peter.

O segredo em torno de sua exposição não ajudou Bugorsky, e ele não tinha os documentos oficiais para receber a medicação adequada. Portanto, ele recebeu mais tarde o status de vítima do acidente de Chernobyl porque ele estava oficialmente “sem registro”. Apenas a ajuda de colegas na Rússia e no exterior ajudou Anatoliy a se manter à tona.

O fechamento do projeto do colisor soviético também não ajudou. A construção começou em 1983 e foi concluída em 1994, mas nunca começou a funcionar devido a cortes orçamentários governamentais posteriores. Atualmente, o acelerador está fechado e apenas a manutenção básica é financiada.

Como um homem sobreviveu à exposição à radiação centenas de vezes mais do que a quantidade letal continua sendo uma questão não respondida. É difícil comparar o caso de Bugorsky com casos bem conhecidos de exposição a radiação letal, como "Atomic Man", Harold McCluskey ou Albert Stevens. Bugorsky não experimentou a exposição de corpo inteiro, e a sua duração foi curta.

Ao contrário do caso neurológico clássico de Phineas P. Gage, Bugorsky não sofreu qualquer distúrbio de personalidade, nem qualquer tipo de perda de memória, seguindo sua saída na cabeça. Talvez seja porque na Rússia soviética, as partículas aceleraram você.

www.rbth.com

MAIS NOTÍCIAS