TERREMOTO - Goiás foi atingido por dois terremotos em menos de uma hora.

MAIS NOTÍCIAS

O Observatório Sismológico da UnB registrou dois terremotos de magnitudes 3.5 e 3.0 na cidade de em Aruanã, no interior de Goiás. Não houve registro de danos.


Fique ligado! Acompanhe nosso SITE! Monitore as tempestades AQUI Monitore o SolAQUI
MAIS NOTÍCIAS

Algo está puxando a nossa Via Láctea e dezenas de milhares de outras galáxias em direção a ela em uma velocidade vertiginosa.

MAIS NOTÍCIAS

São 22 milhões de quilômetros por hora. Mas eles não conseguiam identificar exatamente o que ou onde é. Um enorme volume de espaço que inclui a Via Láctea e super-aglomerados de galáxias está fluindo em direção a uma misteriosa massa invisível chamada pelos astrônomos de "O Grande Atrator", a cerca de 250 milhões de anos-luz de nosso Sistema Solar.


Andromeda, cerca de 2,2 milhões de anos-luz da Via Láctea, está acelerando em direção à nossa galáxia a 402.366 quilômetros por hora

Esse movimento só pode ser explicado pela atração gravitacional, mesmo que a massa que podemos observar não seja grande o suficiente para exercer esse tipo de atração.

A única coisa que poderia explicar o movimento de Andrômeda é a atração gravitacional de muitas massas invisíveis, talvez o equivalente a 10 galáxias do tamanho da Via Láctea, situadas entre as duas galáxias. Enquanto isso, todo o nosso Grupo Local está se aproximando do centro do aglomerado de Virgem a 1609.34 de quilômetros por hora.


A Via Láctea e sua vizinha galáxia de Andrômeda, junto com cerca de 30 menores, formam o que é conhecido como Grupo Local, que fica nos arredores de um "super aglomerado" - um agrupamento de milhares de galáxias - conhecido como Virgem. também puxado em direção ao Grande Atrator. Com base nas velocidades nessas escalas, a massa invisível que habita os vazios entre as galáxias e os aglomerados de galáxias é, talvez, 10 vezes mais do que a matéria visível.

Mesmo assim, a adição desse material invisível à matéria luminosa faz com que a densidade de massa média do universo permaneça dentro de apenas 10 a 30% da densidade crítica necessária para “fechar” o universo. Esse fenômeno sugere que o universo seja “aberto”. Os cosmólogos continuam a debater essa questão, assim como também estão tentando descobrir a natureza da massa perdida, ou “matéria escura”.

Acredita-se que esta matéria escura dita a estrutura do Universo na maior das escalas. A matéria escura atrai gravitacionalmente a matéria normal, e é essa matéria normal que os astrônomos vêem formando longas paredes finas de aglomerados super-galácticos.

Medições recentes com telescópios e sondas espaciais da distribuição de massa em M31 - a maior galáxia na vizinhança da Via Láctea - e outras galáxias levaram ao reconhecimento de que as galáxias estão cheias de matéria escura e mostraram que uma força misteriosa - uma escuridão energia - preenche o vácuo do espaço vazio, acelerando a expansão do universo.

Os astrônomos agora reconhecem que o destino final do universo está inextricavelmente ligado à presença de energia escura e matéria escura. O modelo padrão atual para a cosmologia descreve um universo que é 70% de energia escura, 25% de matéria escura e apenas 5% de matéria normal. .

Nós não sabemos o que é energia escura, ou porque ela existe. Por outro lado, a teoria das partículas nos diz que, no nível microscópico, mesmo um vácuo perfeito borbulha com partículas quânticas que são uma fonte natural de energia escura. Mas um cálculo ingênuo da energia escura gerada a partir do vácuo produz um valor 10120 vezes maior do que a quantidade que observamos. Algum processo físico desconhecido é necessário para eliminar a maioria, mas não toda, da energia do vácuo, deixando o suficiente para impulsionar a expansão acelerada do universo.


Uma nova teoria da física de partículas é necessária para explicar esse processo físico. O universo como o vemos contém apenas as relíquias estáveis ​​e as sobras do big bang: partículas instáveis ​​decaíram com o tempo, e as simetrias perfeitas foram quebradas quando o universo esfria, mas a estrutura do espaço lembra todas as partículas e forças nós não podemos mais ver ao nosso redor.

Descobrir o que compõe o coração do Grande Atrator - certamente será uma das maiores descobertas da história da ciência. Descobertas recentes sugerem que esses movimentos são o resultado de forças gravitacionais de não uma, mas duas coisas: o Grande Atrator e um conglomerado de galáxias muito além dele.

A localização do Grande Atrator foi finalmente determinada em 1986 e situa-se a uma distância de 250 milhões de anos-luz da Via Láctea, na direção das constelações de Hydra e Centaurus. Essa região do espaço é dominada pelo aglomerado de Norma, um aglomerado massivo de galáxias, e contém uma preponderância de galáxias grandes e antigas, muitas das quais estão colidindo com seus vizinhos e irradiando grandes quantidades de ondas de rádio.

A maior concentração de galáxias está além do Grande Atrator, perto do chamado superaglomerado de Shapley, a 500 milhões de anos-luz de distância - o superconjunto mais massivo conhecido. O mapeamento de aglomerados de galáxias luminosas de raios-X na região do Grande Atrator mostrou que a atração que nossa galáxia está experimentando é mais provável devido tanto ao Grande Atrator próximo quanto a essas estruturas mais distantes.

ESA/Hubble Space Telescope & NASA
Hubble Telescope image of the region of the sky where the Great Attractor is located

Um ano de avanço

Em 1987, um grupo de astrônomos conhecido como "Sete Samurais", na Cal Tech, descobriu esse movimento coordenado da Via Láctea e de nossos vários milhões de vizinhos galácticos mais próximos. Eles descobriram que as galáxias são muito desigualmente distribuídas no espaço, com super-aglomerados galácticos separados por incrivelmente enormes vazios de matéria comum visível. O lugar para o qual todos nós aparecemos foi originalmente chamado de Novo Centro Supergalático ou o Objeto Muito Maciço até que um dos descobridores, Alan Dressler, decidiu que precisava de um nome mais evocativo e criou “O Grande Atrator”.

O movimento das galáxias locais indicou que havia algo enorme lá fora que está puxando a Via Láctea, a Galáxia de Andrômeda e outras galáxias próximas em direção a ela. Por um tempo, ninguém podia ver o que era, porque está por trás do plano da nossa Galáxia - isso significa que o gás e a poeira da nossa Galáxia obscurecem a luz do Grande Atrator, e é ofuscado pelas estrelas e outros objetos em nossa Galáxia.

O Grande Atrator é uma concentração difusa de matéria de cerca de 400 milhões de anos-luz de tamanho localizada a cerca de 250 milhões de anos-luz dentro do chamado "Muro Centauro" de galáxias, a cerca de sete graus do plano da Via Láctea. Observações de raios X com o satélite ROSAT revelaram então que Abell 3627 está no centro do Grande Atrator. Encontra-se na chamada Zona de Prevenção, onde a poeira e as estrelas do disco da Via Láctea obscurecem tanto quanto um quarto do céu visível da Terra. 

Fonte:  International Center for Radio Astronomy Research