ATENÇÃO! Cinzas do Vulcão Ubinas sobre SP, PR e RJ!

MAIS NOTÍCIAS

Vulcão Ubinas, no Peru, registra maior explosão em 300 anos. Texto de Everton S. Gonçalves  Pluma de cinzas vulcânicas chegam sobre o centro sul do Brasil nessa manhã de sábado, originada da erupção do vulcão Ubinas no Peru.



Mais cedo estavam concentradas sobre PR e SP. Agora estão concentradas entre SP e RJ, avançando para o mar.  Como estão em altitudes bem elevadas, vai ser pouco sentido pela população. 
No máximo, o céu vai ficar cinzento durante o dia e o pôr do sol pode ser diferenciado, na luminosidade e cores, principalmente mais avermelhado e rosado.
Em 2015 as cinzas do Vulcão Cabulco, no Chile, chegaram ao Sudeste do Brasil. As imagens abaixo mostram o efeito óptico atmosférico causados pelas cinzas ao Pôr do Sol.



Mas vale destacar que cinzas vulcânicas são um grande risco para a aviação. Queromos acreditar que nossas autoridades estejam monitorando essa situação.




Com informações de Everton S. Gonçalves 
Em atualização...
Fique ligado! Acompanhe nosso SITE! Monitore…

Antigos egípcios descobriram a variabilidade da Estrela Algol (Beta Persei) 3.000 anos antes dos astrônomos modernos.

Novas evidências sugerem que os egípcios foram os primeiros a descobrirem e a documentarem Algol (Beta Persei), cerca de 3.000 anos antes da descoberta dos astrônomos modernos. 

Argol é na verdade um par de estrelas que orbitam e eclipsam umas às outras. Eles residem na constelação de Perseu a aproximadamente 93 anos-luz da Terra. 
O nome Algol é referido em várias culturas e é comumente traduzido e apelidada como "Estrela do Demônio"


A maneira pela qual as estrelas se movem umas às outras causa variações no escurecimento e brilho que ocorrem com a precisão do relógio. As variações no brilho são tão pronunciadas que são visíveis a olho nu, o que sugere que os antigos egípcios podem ter usado a "Estrela do Demônio" para padronizar seu Calendário Egípcio do Cairo (CC). 

A nova pesquisa explica como a Estrela do Demônio poderia ter sido usada pelos egípcios, por isso mesmo, para rastrear os dias no Calendário Egípcio do Cairo (CC), provando que os antigos egípcios foram os primeiros a descrever definitivamente essa misteriosa estrela.
De acordo com o Dr. Lauri Jetsu, da Universidade de Helsinque, na Finlândia, que liderou a pesquisa, a lua e Algol tiveram muitos significados religiosos diferentes para os egípcios, no entanto, o papel da Estrela Demoníaca no Cairo Egípcio é algo totalmente novo . 
Datando entre 1244 aC e 1163 aC, o calendário do Cairo 86637 (descoberto em um papiro) é o mais antigo documento histórico intocado contendo observações a olho nu da Estrela Argol.

Semelhante a outros antigos calendários egípcios, o CC teve como objetivo prever quais dias foram “sortudos” e quais foram “azarados”. Depois de analisar o texto, os pesquisadores concluíram que os dias de sorte do calendário, que cobriam um período de 2,85 dias, estavam consistentemente correlacionados com a duração do ciclo da Estrela Argol, de claro a escuro, durante o mesmo período de tempo. Os pesquisadores também descobriram correlações entre o ciclo da lua da Terra e o padrão de dias no calendário.

interpolation
Interpolação da órbita de Aa2 em torno de Aa1 com foco em Aa1.
Algol System, β Por A Interpolação da órbita de Aa2 em torno de Aa1 com foco em Aa1. Fotos tiradas com o interferômetro CHARA na faixa H do infravermelho próximo. Animação feita no Mathematica por Simon Tyran (Yukterez, Viena, 2.2.2016) Fases classificadas por Stigmatella Aurantiaca Para o código click here


Todas essas descobertas, além do fato de que a Estrela Demoníaca oferece a maneira mais fácil de discernir a capacidade periódica a olho nu, sugerem que os antigos egípcios não apenas observaram a estrela e a regularidade de seu padrão de escurecimento, mas também as mudanças em suas próprias constelações.

É provável que a Estrela Argol tenha sido uma das duas ou três estrelas, se não a única estrela, monitorada pelos antigos egípcios especificamente por sua variabilidade de brilho, de acordo com um Ph.D. estudante da Universidade de Helsinque, Sebastian Porceddu, que esteve envolvido na pesquisa. 

Resultado de imagem para Algol (Beta Persei)

A variabilidade de brilho foi considerada um comportamento ameaçador e estranho para uma estrela, que os egípcios consideravam seres divinos. 
Antes que os pesquisadores descobrissem a referência ao período de escuridão da Estrela Demoníaca no Calendário do Cairo, eles nem perceberam que os antigos egípcios acreditavam que ela possuía uma qualidade mística.

Acreditava-se anteriormente que Geminiano Montanari, um astrônomo italiano, havia descoberto Algol em algum momento no final da década de 1660. Agora os pesquisadores concluíram que a Estrela Demoníaca foi encontrada muito antes.