Detectores celestes de monóxido de carbono podem alertar para um mundo distante repleto de formas de vida simples.

MAIS NOTÍCIAS

Para alguns mundos distantes, o monóxido de carbono pode realmente ser compatível com uma biosfera microbiana robusta.


Astrônomos assumiram que um acúmulo de monóxido de carbono na atmosfera de um planeta seria um sinal claro de falta de vida. Agora, uma equipe de pesquisadores liderada pela UC Riverside está argumentando o contrário: os detectores celestes de monóxido de carbono podem realmente nos alertar para um mundo distante repleto de formas de vida simples.
"Com o lançamento do Telescópio Espacial James Webb daqui a dois anos, os astrônomos poderão analisar as atmosferas de alguns exoplanetas rochosos", disse Edward Schwieterman, principal autor do estudo e membro do Programa de Pós-Doutorado da NASA no Departamento de Ciências da Terra da UCR. "Seria uma pena ignorar um mundo habitado porque não consideramos todas as possibilidades."
Em um estudo publicado no The Astrophysical Journal, a equipe de Schwieterman usou modelos computacionais de qu…

Como o LSD altera a percepção.

Drogas psicodélicas como o LSD têm um impacto profundo na consciência humana, particularmente na percepção. 


Pesquisadores em Yale e na Universidade de Zurique fornecem uma nova visão sobre os efeitos psicodélicos do LSD no cérebro e potenciais usos terapêuticos da droga.

Os novos dados indicam que o LSD desencadeia uma redução das conexões funcionais entre as regiões do cérebro que regem os processos cognitivos e aumenta a conectividade nas redes cerebrais associadas às funções sensoriais. 
Ele faz isso estimulando um receptor específico para o neurotransmissor serotonina (receptor de serotonina-2A ou 5HT2A). O receptor 5HT2A foi implicado na regulação do humor e da cognição.

Usando mapas de expressão gênica e ferramentas baseadas em dados para medir a comunicação em todo o cérebro, a equipe foi capaz de inferir os padrões de sinais cerebrais em indivíduos que tomaram LSD e identificar o receptor 5HT2A como um mecanismo crucial que leva a mudanças na percepção e no pensamento.

"Há um efeito líquido do LSD em todo o cérebro, mas o efeito não é uniforme", explicou Alan Anticevic, professor assistente de psiquiatria e psicologia e co-autor sênior do artigo, publicado na revista eLife.

Nos últimos anos, os cientistas se tornaram cada vez mais interessados ​​no uso de psicodélicos para tratar distúrbios mentais, como a depressão. Enquanto a serotonina desempenha um papel fundamental na manutenção do equilíbrio do humor e os níveis diminuídos estão associados à depressão, outro impacto imediato dos novos achados pode estar no tratamento da esquizofrenia, sugeriu Anticevic.

O LSD reduziu a comunicação entre as áreas cerebrais envolvidas no planejamento e na tomada de decisões, mas aumentou a comunicação entre as áreas envolvidas na sensação e no movimento, o que pode ser atribuído ao receptor de serotonina 5HT2A.

A maioria dos pacientes com esquizofrenia é tratada com drogas antipsicóticas atípicas, que bloqueiam alguns dos receptores de serotonina identificados pelo novo estudo. No entanto, muitos pacientes não respondem bem a esses tratamentos.

"Os médicos podem ser capazes de identificar pacientes individuais com maior probabilidade de se beneficiar dessas drogas, procurando por padrões similares de atividade cerebral identificados no estudo", observou Katrin Preller, professor assistente da Universidade de Zurique e professor visitante em Yale, que é o principal autor do artigo.

Usando uma tecnologia otimizada por Anticevic e o Dr. John Murray, professor assistente de psiquiatria em Yale e co-autor do artigo, os pesquisadores identificaram a atividade genética no cérebro e mostraram como ela influencia a função do neurotransmissor.

Ilustração: Christine Daniloff

Na década de 1960, os pesquisadores de Yale Daniel X. Freedman, Nicholas Giarman e George Aghajanian primeiro implicaram o sistema da serotonina, e o receptor 5HT2A, nas ações do LSD, observou o Dr. John Krystal, professor e presidente da psiquiatria em Yale.

"Levou mais de 50 anos e avanços técnicos em imagens do cérebro e neurociência molecular para nos permitir construir sobre o trabalho anterior em pesquisa clínica mecanicista", disse Krystal. "Este caminho e outras estratégias de pesquisa relacionadas nos levarão mais profundamente em nossa busca pelas raízes da consciência humana e da biologia da doença mental."

Franz Vollenweider, de Zurique, é co-autor sênior do artigo.

Publicação: Katrin H Preller, et al., “Mudanças na conectividade cerebral global e talâmica em estados alterados de consciência induzidos por LSD são atribuíveis ao receptor 5-HT2A”, eLife 2018; 7: e35082 DOI: 10.7554/eLife.35082

Comentários