Detectores celestes de monóxido de carbono podem alertar para um mundo distante repleto de formas de vida simples.

MAIS NOTÍCIAS

Para alguns mundos distantes, o monóxido de carbono pode realmente ser compatível com uma biosfera microbiana robusta.


Astrônomos assumiram que um acúmulo de monóxido de carbono na atmosfera de um planeta seria um sinal claro de falta de vida. Agora, uma equipe de pesquisadores liderada pela UC Riverside está argumentando o contrário: os detectores celestes de monóxido de carbono podem realmente nos alertar para um mundo distante repleto de formas de vida simples.
"Com o lançamento do Telescópio Espacial James Webb daqui a dois anos, os astrônomos poderão analisar as atmosferas de alguns exoplanetas rochosos", disse Edward Schwieterman, principal autor do estudo e membro do Programa de Pós-Doutorado da NASA no Departamento de Ciências da Terra da UCR. "Seria uma pena ignorar um mundo habitado porque não consideramos todas as possibilidades."
Em um estudo publicado no The Astrophysical Journal, a equipe de Schwieterman usou modelos computacionais de qu…

Meio Ambiente e Agricultura deverão ser ministérios diferentes em seu governo, diz Bolsonaro

Por repercussão negativa a equipe de JB deu sinais de recuo.


Em entrevista a emissoras de TV católicas sobre a fusão do Meio Ambiente e Agricultura, disse:
"Havia uma ideia de fusão, mas pelo que parece será modificada. Pelo que tudo indica, serão dois ministérios distintos", afirmou o presidente eleito.

Ele ressaltou que não quer um ministro "xiita" para o Meio Ambiente e que a conservação da natureza não pode ser um obstáculo para o progresso do país.

"O Brasil é o país que mais protege o meio ambiente. Nós pretendemos proteger o meio ambiente, sim, mas não criar dificuldades para o nosso progresso", argumentou Bolsonaro.

Segundo ele, o perfil de um ministro do Meio Ambiente é o de "uma pessoa voltada para proteger o meio ambiente sem o caráter xiita, como foi em outros governos".

Comentários