Bolsonaro visita a CIA - o encontro sinalizou a disposição do governo brasileiro em estreitar laços no combate aos crimes transnacionais.

MAIS NOTÍCIAS

O presidente Jair Bolsonaro foi na manhã de ontem (18), à Agência de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) para uma visita de cortesia.
Ele foi recebido pela diretora da agência, Gina Haspel. Segundo o porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, o encontro sinalizou a disposição do governo brasileiro em estreitar laços com a CIA no combate aos crimes transnacionais. “Foi uma visita de cortesia para, a partir daí, estabelecer esse foco de cooperação na área do crime organizado, dos crimes transnacionais e, eventualmente, os acordos na área de inteligência”, disse o porta-voz.  A visita não entrou na agenda oficial e a imprensa não foi avisada.  Rêgo Barros afirmou que a visita foi decidida pelo presidente no avião, rumo a Washington, capital do país. Presidente @jairbolsonaro chega aos EUA para primeira visita oficial ao país. O objetivo é promover uma agenda positiva entre os dois países. Na terça (19), está previsto encontro com o presidente Donald Trum…

Não foram as mudanças climáticas. Foi a urbanização que exacerbou as chuvas e inundações causadas pelo furacão Harvey em Houston.

Publicado originalmente na Revista Nature.
O furacão Harvey, da categoria 4, despejou mais de um metro de chuva na área densamente povoada de Houston, levando a inundações e danos sem precedentes.


@CAROLEENARN REUTERS

Embora os estudos tenham focado na contribuição das mudanças climáticas antropogênicas para este evento de chuva extrema, pouca atenção tem sido dada aos efeitos potenciais da urbanização na hidrometeorologia associada ao furacão Harvey.


Richard Carson / REUTERS

Aqui nós achamos que a urbanização exacerbou não só a resposta da inundação, mas também a precipitação total da tempestade.

Usando o modelo Weather Research and Forecast, um modelo numérico para simular clima e clima em escalas regionais, e modelos estatísticos, quantificamos a contribuição da urbanização para as chuvas e inundações.


MARK RALSTON

No geral, descobrimos que a probabilidade de tais eventos extremos de inundação nas bacias estudadas aumentou em média cerca de 21 vezes no período de 25 a 30 de agosto de 2017 devido à urbanização.

O efeito da urbanização na precipitação e inundação extremas induzida por tempestades deve ser mais explicitamente incluído nos modelos climáticos globais, e este estudo destaca sua importância ao avaliar o risco futuro de tais eventos extremos em áreas costeiras altamente urbanizadas.

Fonte: Nature

Comentários