RÚSSIA - Níveis de radiação aumentam 16 vezes após explosão de foguete com 5 mortes.

MAIS NOTÍCIAS

A agência nuclear estatal da Rússia, Rosaton, informou que o acidente ocorreu durante teste de um motor em uma plataforma marítima no Mar Branco, provocando a morte de pelo menos cinco cientistas e ferindo três.


A Rússia reconheceu neste sábado, após dois dias de silêncio, que a explosão ocorrida na última quinta-feira em uma base de lançamento de mísseis próxima do Ártico teve um caráter nuclear, com um saldo de cinco mortos.
Observem a onda de choque nos vídeos abaixo:

A explosão assustou as populações locais e fez com que as pessoas corressem às farmácias, nas cidades de Arkhangelsk e Severodvinsk, e esgotassem os estoques de iodo medicinal, usado para diminuir os efeitos da exposição à radiação.

Em comunicado, a agência nuclear russa, Rosatom, anunciou que cinco membros do seu quadro morreram na explosão e outras três pessoas sofreram queimaduras. Autoridades militares não informaram sobre a possível presença de combustível nuclear no acidente, que ocorreu na região d…

TPM na ISS - A microgravidade afeta a menstruação?

TPM e menstruação na ISS,  não é nada que uma astronauta não consiga lidar.

A microgravidade, como a experimentada na Estação Espacial Internacional, não afeta o ciclo menstrual. 
Na década de 1960, alguns especialistas alertaram contra o envio de mulheres para o espaço por medo de que a menstruação e a TPM pudessem afetar sua capacidade de trabalhar. 
Havia também preocupações de que o sangue pudesse fluir de volta ao corpo, acumulando-se no abdômen e causando peritonite. 
Mas os medos eram infundados.

No entanto, a questão de armazenar itens higiênicos, juntamente com a água de banho limitada, as astronautas tendem a tomar pílulas anticoncepcionais orais para evitarem a menstruação durante a missão.





As mulheres no espaço enfrentam os mesmos desafios enfrentados pelos homens: dificuldades físicas colocadas por condições não-terrestres e estresse psicológico de isolamento e separação. 
Estudos científicos sobre anfíbios fêmeas e mamíferos não humanos geralmente não mostram nenhum efeito adverso de missões espaciais curtas, embora o efeito de viagens espaciais prolongadas na reprodução humana feminina não seja conhecido.