Detectores celestes de monóxido de carbono podem alertar para um mundo distante repleto de formas de vida simples.

MAIS NOTÍCIAS

Para alguns mundos distantes, o monóxido de carbono pode realmente ser compatível com uma biosfera microbiana robusta.


Astrônomos assumiram que um acúmulo de monóxido de carbono na atmosfera de um planeta seria um sinal claro de falta de vida. Agora, uma equipe de pesquisadores liderada pela UC Riverside está argumentando o contrário: os detectores celestes de monóxido de carbono podem realmente nos alertar para um mundo distante repleto de formas de vida simples.
"Com o lançamento do Telescópio Espacial James Webb daqui a dois anos, os astrônomos poderão analisar as atmosferas de alguns exoplanetas rochosos", disse Edward Schwieterman, principal autor do estudo e membro do Programa de Pós-Doutorado da NASA no Departamento de Ciências da Terra da UCR. "Seria uma pena ignorar um mundo habitado porque não consideramos todas as possibilidades."
Em um estudo publicado no The Astrophysical Journal, a equipe de Schwieterman usou modelos computacionais de qu…

Cervos Zumbis - a doença mortal espalha-se rapidamente entre alces e veados nos Estados Unidos


As autoridades estão preocupadas que uma doença priônica* se alastrando entre os cervos nos EUA possa, algum dia, ameaçar a saúde dos humanos.

A doença debilitante crônica (CWD), apelidada de “doença dos cervos zumbis”, recebe esse nome por uma série de sintomas. Para cervos, alces e alces, estes incluem tropeço, indiferença, baba e perda de peso rápida. 
A doença fatal degrada os cérebros, espinhas e corpos dos animais que infecta e não há tratamentos ou vacinas conhecidos.

Nenhum caso de CWD foi registrado em humanos. Ainda não foi definitivamente provado que os seres humanos podem ser infectados pela CWD, embora algumas pesquisas tenham sugerido que isso é possível. Mas os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) afirmam que em janeiro de 2019, a doença foi relatada em cervos, alces e alces em 251 municípios em 24 estados dos EUA, principalmente no Centro-Oeste. Também foi encontrado em duas províncias do Canadá. Embora a CWD seja ainda relativamente rara, as taxas de infecção entre cervos e alces em áreas onde a doença é mais comum foram registradas em cerca de 10-25%, diz o CDC, e as taxas podem ser especialmente altas entre os cervos cativos. A CWD foi identificada pela primeira vez no Colorado no final dos anos 60.


“Se a CWD pudesse se espalhar para as pessoas, provavelmente seria através do consumo de cervos e alces infectados”, diz o CDC em seu site. Cerca de 11,5 milhões de americanos caçam, de acordo com estatísticas do Departamento do Interior dos EUA; Não está claro quantos comem o jogo que eles caçam.

A CWD está relacionada com a variante da doença de Creutzfeldt-Jakob, ou a forma humana da doença da vaca louca, que os cientistas acreditam que pode ser transmitida aos seres humanos pela ingestão de carne contaminada. Entre os animais, a CWD se espalha pelo contato com fluidos ou tecidos corporais contaminados, ou alimentos contaminados ou água.


Michael Osterholm, diretor do Centro de Pesquisa e Políticas de Doenças Infecciosas da Universidade de Minnesota, alertou os legisladores de Minnesota sobre a possível ameaça humana da CWD no início deste mês, informou a NBC News.

"É provável que casos humanos de doença crônica debilitante associada ao consumo de carne contaminada sejam documentados nos próximos anos", disse Osterholm. "É possível que o número de casos humanos seja substancial e não sejam eventos isolados".

O CDC recomenda que os caçadores e as pessoas que comem cervos, alces ou alces estejam cientes de onde a CWD foi encontrada e prestem atenção às orientações locais de saúde pública. Se a CWD tiver sido registrada em uma determinada área, o CDC “recomenda que os caçadores considerem fortemente ter esses animais testados antes de comer a carne”. Os caçadores também devem evitar atirar, manusear ou comer carne de animais que parecem doentes ou foram encontrados mortos; usar luvas ao manusear carcaças; e minimizar a exposição aos órgãos do animal, diz o CDC.
Em janeiro de 2019, haviam 251 condados em 24 estados com CWD relatada em cervídeos de vida livre. Este mapa é baseado nas melhores informações disponíveis de várias fontes, incluindo as agências estaduais de vida selvagem e o United States Geological Survey (USGS). https://www.cdc.gov/

Fonte: USA Today
Priônica: Príon ou Prião é um agente infeccioso composto por proteínas com forma aberrante. Tais agentes não possuem ácidos nucleicos ao contrário dos demais agentes infecciosos conhecidos. O termo prion foi cunhado em 1982 por Stanley B. Prusiner através de um amálgama entre as palavras proteinaceous e infection.

Comentários