Número de mortos em Moçambique pode ultrapassar 1.000, mais de 15.000 pessoas estão desaparecidas após destruição massiva do Ciclone Tropical "Idai".

MAIS NOTÍCIAS

Milhares de pessoas ainda precisam ser resgatadas após um ciclone devastador atingir os países da África Austral. Espera-se que o número de mortos atinja pelo menos 1.000 pessoas, com uma estimativa de 15.000 pessoas ainda desaparecidas. Os sobreviventes estão enfrentando uma crise humanitária, com os sistemas de água e saneamento fortemente danificados pela tempestade.

Milhares de pessoas estão fazendo uma viagem sinistra até à cidade da Beira, em Moçambique, que, embora fortemente danificada, é agora um centro de esforços de salvamento. Alguns caminhavam por estradas esculpidas pelas águas revoltas, enquanto outros eram transportados por pescadores locais. Helicópteros saíram à chuva para mais um dia de esforços para encontrar pessoas agarradas a telhados e árvores. O número confirmado de mortes no Zimbábue, vizinho de Moçambique e Maláui, superou 500 na quinta-feira, com centenas mais temidas em áreas totalmente submersas pelo ciclone Idai. Aqueles que chegam à Beira …

CUBA: Opositores denunciam prisões e violências em dia de Referendo em Havana.


Membro das Damas de Branco é presa em uma rua de Havana por se manifestar pacificamente.

Ailer ativista Mena González compartilhou em seu perfil do Facebook um vídeo da prisão das Damas de Branco Leticia Ramos Herrería e Odalis Hernandez em Matanzas, que saiu para protestar e defender a sua posição contra o referendo constitucional.

Observadores eleitorais e eleitores que manifestaram sua oposição à futura Constituição de Cuba se deparam com o assédio do regime.

O evento foi relatado pelo ex-preso político Ángel Moya, que ambas as mulheres foram levadas para lugares desconhecidos.

Ativistas de plataformas de observadores eleitorais (ODE) Direitos e da Associação Cubana de Observadores Eleitorais (ACOE) manteve-se sob cerco policial no domingo para evitar sua participação no referendo uma votação sobre a futura Constituição da ilha.

Os membros dessas organizações relataram que, após as forças do regime do meio-dia "invadiram" a sede ACOE, que coordena Zelândia Pérez Abreu de Havana. Eles também condenaram vigilância por Madrazo habitação Juan Antonio Luna, ODE, na capital, onde também apresentou cerca de 12:30 horas de hoje.

Rolando Rodriguez Lobaina, líder da Aliança Democrática Oriental (ADO), informou através de seu perfil no Facebook a prisão de Osmay Vazquez e sua esposa Yanet Diaz Santiago, ambos do ADO em Palma Soriano, Santiago de Cuba ", quando eles tentaram monitorar colégio eleitoral em sua área. "

Disse que o coordenador da organização em Banes continua prisioneiro, Holguin, Alexander Rodriguez Santiesteban e ativista Walter Canete Cruz, "depois de terem recebido uma surra nas mãos de militares em casa na frente de suas filhas."

Segundo a esposa de Rodríguez Santiesteban, o ativista tem uma cabeça dividida. "Sua família teme por suas vidas", acrescentou Rodríguez Lobaina.


Nuan Alberto de la Nuez, observadores coordenador de Direitos de Voto (ODE), na província de Cienfuegos, foi detido pela segurança do Estado e seu destino era desconhecido.
Mais tarde, De la Nuez foi libertado, "sob a ameaça de que ele não se aproxime das urnas para observar".

Em Havana, a casa do porta-voz daquela plataforma cidadã, Marthadela Tamayo, também estava sob um cerco policial.

Fernando Palacio ativista afirmou que a polícia política ameaçado ele e Eroisis González "com detenção ou agressão física" para ir para qualquer votação tanto de votar e de se observar.

Em Santiago de Cuba, José Daniel Ferrer Garcia, coordenador nacional da União Patriótica de Cuba (UNPACU), denunciou a perseguição dos observadores eleitorais.
Ele mencionou pelo menos nove detidos em Santiago de Cuba.



Ferrer García também condenou em Boyeros, em Havana, José Diaz Silva, o Movimento para uma Nova República (MONR), foi violentamente interceptada nos arredores de sua casa "sitiada pelas forças repressivas."

"Outros ativistas da MONR foram detidos e deixados em lugares distantes".
"Protesto público é o caminho para Cuba, nenhuma ditadura cai com os votos", acrescentou.




Fonte: Diário de Cuba