Número de mortos em Moçambique pode ultrapassar 1.000, mais de 15.000 pessoas estão desaparecidas após destruição massiva do Ciclone Tropical "Idai".

MAIS NOTÍCIAS

Milhares de pessoas ainda precisam ser resgatadas após um ciclone devastador atingir os países da África Austral. Espera-se que o número de mortos atinja pelo menos 1.000 pessoas, com uma estimativa de 15.000 pessoas ainda desaparecidas. Os sobreviventes estão enfrentando uma crise humanitária, com os sistemas de água e saneamento fortemente danificados pela tempestade.

Milhares de pessoas estão fazendo uma viagem sinistra até à cidade da Beira, em Moçambique, que, embora fortemente danificada, é agora um centro de esforços de salvamento. Alguns caminhavam por estradas esculpidas pelas águas revoltas, enquanto outros eram transportados por pescadores locais. Helicópteros saíram à chuva para mais um dia de esforços para encontrar pessoas agarradas a telhados e árvores. O número confirmado de mortes no Zimbábue, vizinho de Moçambique e Maláui, superou 500 na quinta-feira, com centenas mais temidas em áreas totalmente submersas pelo ciclone Idai. Aqueles que chegam à Beira …

Ônibus Lilás atenderá mulheres vítimas de assédio no carnaval de SP



Em 2018 foram atendidas 1.051 mulheres

O Ônibus Lilás estará entre a Avenida Tiradentes e a Praça da República, no Centro de São Paulo com a presença da Guarda Civil Municipal e tem o objetivo de acolher as mulheres que se sentirem violadas por casos de assédio e importunação sexual nos blocos carnavalescos e ajudar a prestarem denúncias e identificar o agressor.

“A ideia é que a gente consiga fazer um acolhimento à mulher que se sinta, por algum motivo, violada no seu direito, seja assediada ou que efetivamente tenha passado por alguma situação de violência”, afirma Ana Claudia Carletto, secretária-executiva da Coordenação de Políticas para Mulheres da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania.

De acordo com a disponibilidade e ações, o Ônibus Lilás obedece a uma programação que percorre diversos bairros da cidade, com ênfase nas regiões mais afastadas do centro e com maior índice de vulnerabilidade.

Fonte: Capricho