TERREMOTO - Goiás foi atingido por dois terremotos em menos de uma hora.

MAIS NOTÍCIAS

O Observatório Sismológico da UnB registrou dois terremotos de magnitudes 3.5 e 3.0 na cidade de em Aruanã, no interior de Goiás. Não houve registro de danos.


Fique ligado! Acompanhe nosso SITE! Monitore as tempestades AQUI Monitore o SolAQUI
MAIS NOTÍCIAS

Presidente de Cuba chama os presidentes da Colômbia e Chile de "palhaços".


A Venezuela é o principal parceiro político e econômico de Cuba, que desde 2000 recebe petróleo subsidiado daquele país em troca do envio de profissionais, especialmente médicos e professores.

Miguel Díaz-Canel ://twitter.com/diazcanelb

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, descreveu como "palhaços" os presidentes da Colômbia, Ivan Duque, e do Chile, Sebastián Piñera, por ter participado da tentativa de envio de ajuda humanitária para a Venezuela a partir da cidade fronteiriça colombiana de Cucuta .

"Ontem pareciam palhaços, um grupo de presidentes na fronteira com a Colômbia", disse Diaz-Canel, que assumiu o cargo em abril substituindo Raul Castro, em uma aparição perante a mídia, por ocasião do referendo sobre a nova Constituição realizada hoje em Cuba.

"A união militar cívica e o povo revolucionário da #Venezuela com o seu Presidente @NicolasMaduro impediram o golpe imperialista. Os falcões do império e seus lacaios acompanhantes falharam, mas o império não renuncia a seus planos. Para continuar lutando. #ManosFueraDeVenezuela"

O presidente cubano disse que Piñera e Duque "têm mais problemas do que a Venezuela", referindo-se a Nicolas Maduro, e especificou que a Colômbia "teve um conflito de guerra durante anos", enquanto o Chile "ainda deve o povo julgar os crimes da ditadura de Pinochet ".

Os presidentes da Colômbia e do Chile, juntamente com a de Paraguai, Mario Abdo Benitez e o Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, deu ordem saída maciça de sábado de ajuda humanitária para a Venezuela, mas a operação foi impedido pelas forças de segurança do país petroleiro.

#Venezuela não está sozinha. #ManosFueradeVenezuela. Chega de falsos pretextos para cobrir planos sinistros. A ajuda humanitária precisa de povos empobrecidos para tantas bases militares e tantas agressões imperiais. Bastante cinismo. #SomosCuba

Díaz-Canel afirmou que a presença de chefes de Estado latino-americanos no ato de Cúcuta é explicada apenas em sua "falta de dignidade" e os considerava cúmplices de um suposto plano americano. destinado a "fraturar nossas identidades" para alcançar a "padronização da cultura norte-americana" e finalmente "dominar o mundo".

"Estamos vivendo um momento de ameaça imperial. Há uma intenção de impor uma restauração plataforma capitalista neoliberal na América Latina. Vai com as práticas mais perversas", disse o líder cubano.

Desde o início da atual crise política na Venezuela em 23 de janeiro com a auto-proclamação como líder interino do presidente do Parlamento Juan Guaidó do país, Cuba manifestou o seu apoio incondicional e Nicolas Maduro, acusou US orquestrar um plano para assumir o poder político e os recursos do país petroleiro.

O Executivo de Díaz-Canel também apoiou Maduro em sua decisão de fechar as fronteiras e impedir que a ajuda humanitária enviada pelos Estados Unidos e outros países entrem no país, considerando a assistência um pretexto para uma intervenção militar.

Havana também alertou nesta semana sobre os movimentos incomuns das tropas de Washington no Caribe, que ele atribui a um suposto plano de invasão.

Fonte: Telemetro