Número de mortos em Moçambique pode ultrapassar 1.000, mais de 15.000 pessoas estão desaparecidas após destruição massiva do Ciclone Tropical "Idai".

MAIS NOTÍCIAS

Milhares de pessoas ainda precisam ser resgatadas após um ciclone devastador atingir os países da África Austral. Espera-se que o número de mortos atinja pelo menos 1.000 pessoas, com uma estimativa de 15.000 pessoas ainda desaparecidas. Os sobreviventes estão enfrentando uma crise humanitária, com os sistemas de água e saneamento fortemente danificados pela tempestade.

Milhares de pessoas estão fazendo uma viagem sinistra até à cidade da Beira, em Moçambique, que, embora fortemente danificada, é agora um centro de esforços de salvamento. Alguns caminhavam por estradas esculpidas pelas águas revoltas, enquanto outros eram transportados por pescadores locais. Helicópteros saíram à chuva para mais um dia de esforços para encontrar pessoas agarradas a telhados e árvores. O número confirmado de mortes no Zimbábue, vizinho de Moçambique e Maláui, superou 500 na quinta-feira, com centenas mais temidas em áreas totalmente submersas pelo ciclone Idai. Aqueles que chegam à Beira …

Presidente de Cuba chama os presidentes da Colômbia e Chile de "palhaços".


A Venezuela é o principal parceiro político e econômico de Cuba, que desde 2000 recebe petróleo subsidiado daquele país em troca do envio de profissionais, especialmente médicos e professores.

Miguel Díaz-Canel ://twitter.com/diazcanelb

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, descreveu como "palhaços" os presidentes da Colômbia, Ivan Duque, e do Chile, Sebastián Piñera, por ter participado da tentativa de envio de ajuda humanitária para a Venezuela a partir da cidade fronteiriça colombiana de Cucuta .

"Ontem pareciam palhaços, um grupo de presidentes na fronteira com a Colômbia", disse Diaz-Canel, que assumiu o cargo em abril substituindo Raul Castro, em uma aparição perante a mídia, por ocasião do referendo sobre a nova Constituição realizada hoje em Cuba.

"A união militar cívica e o povo revolucionário da #Venezuela com o seu Presidente @NicolasMaduro impediram o golpe imperialista. Os falcões do império e seus lacaios acompanhantes falharam, mas o império não renuncia a seus planos. Para continuar lutando. #ManosFueraDeVenezuela"

O presidente cubano disse que Piñera e Duque "têm mais problemas do que a Venezuela", referindo-se a Nicolas Maduro, e especificou que a Colômbia "teve um conflito de guerra durante anos", enquanto o Chile "ainda deve o povo julgar os crimes da ditadura de Pinochet ".

Os presidentes da Colômbia e do Chile, juntamente com a de Paraguai, Mario Abdo Benitez e o Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, deu ordem saída maciça de sábado de ajuda humanitária para a Venezuela, mas a operação foi impedido pelas forças de segurança do país petroleiro.

#Venezuela não está sozinha. #ManosFueradeVenezuela. Chega de falsos pretextos para cobrir planos sinistros. A ajuda humanitária precisa de povos empobrecidos para tantas bases militares e tantas agressões imperiais. Bastante cinismo. #SomosCuba

Díaz-Canel afirmou que a presença de chefes de Estado latino-americanos no ato de Cúcuta é explicada apenas em sua "falta de dignidade" e os considerava cúmplices de um suposto plano americano. destinado a "fraturar nossas identidades" para alcançar a "padronização da cultura norte-americana" e finalmente "dominar o mundo".

"Estamos vivendo um momento de ameaça imperial. Há uma intenção de impor uma restauração plataforma capitalista neoliberal na América Latina. Vai com as práticas mais perversas", disse o líder cubano.

Desde o início da atual crise política na Venezuela em 23 de janeiro com a auto-proclamação como líder interino do presidente do Parlamento Juan Guaidó do país, Cuba manifestou o seu apoio incondicional e Nicolas Maduro, acusou US orquestrar um plano para assumir o poder político e os recursos do país petroleiro.

O Executivo de Díaz-Canel também apoiou Maduro em sua decisão de fechar as fronteiras e impedir que a ajuda humanitária enviada pelos Estados Unidos e outros países entrem no país, considerando a assistência um pretexto para uma intervenção militar.

Havana também alertou nesta semana sobre os movimentos incomuns das tropas de Washington no Caribe, que ele atribui a um suposto plano de invasão.

Fonte: Telemetro