Bolsonaro muda a Lei Maria da Penha para proteger as mulheres efetivamente.

MAIS NOTÍCIAS

Publicada lei que garante mais proteção à mulher vítima de violência. As medidas que alteram a Lei Maria da Penha começam a valer hoje.

A Lei Maria da Penha prevê, a partir de agora, a aplicação de medidas protetivas de urgência a mulheres ou a seus dependentes ameaçados de violência doméstica ou familiar. O Diário Oficial da União publica hoje (14) a lei sancionada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, com as alterações que darão mais rapidez nas decisões judiciais e policiais.
De acordo com nova norma, quando constatada a existência de risco atual ou iminente à vida ou à integridade física da mulher, ou de seus dependentes, o “agressor será imediatamente afastado do lar, domicílio ou local de convivência” com a vítima, medida que pode ser adotada pela autoridade judicial; pelo delegado de polícia; ou pelo policial, quando o município não for sede de comarca e não houver delegado disponível no momento da denúncia.
A lei prevê também que, quando a aplicação das m…

Um detector japonês gigante prepara-se para capturar neutrinos de supernovas.


Post from RICOH THETA. - Spherical Image - RICOH THETA

Atualizações recentes no observatório de neutrinos Super-Kamiokande permitirão rastrear a história da explosão de estrelas.

Onze mil olhos laranja gigantes confrontam os poucos sortudos que entraram no observatório subterrâneo de neutrinos Super-Kamiokande, no Japão - de longe o maior detector de neutrinos desse tipo no mundo. A chance de ver esses sensores de luz é rara, porque eles geralmente são submersos em 50.000 toneladas de água purificada. Mas uma grande reformulação do Super-K, concluída em janeiro, ofereceu uma rara chance de observar essa grande catedral da ciência.

Físico Masayuki Nakahata dentro do detector Super-K. Crédito: Noah Baker / Nature

Pela primeira vez em mais de uma década, entre junho e janeiro, a água foi drenada do detector como parte de uma reforma de ¥ 1,1 bilhão (US $ 10 milhões). Entre outras coisas, a atualização permitirá à Super-K caçar neutrinos emitidos por supernovas remotas, explosões que ocorrem quando uma estrela envelhecida entra em colapso sob seu próprio peso. Os astrônomos querem que esses dados entendam melhor a história das supernovas no Universo - mas os neutrinos emitidos por eles são difíceis de detectar.

http://www-sk.icrr.u-tokyo.ac.jp/sk/

“A cada 2 ou 3 segundos, uma supernova dispara em algum lugar do Universo e produz 1058 neutrinos”, diz Masayuki Nakahata, que lidera o Super-K, uma colaboração internacional liderada pelo Japão e pelos Estados Unidos. Com a atualização, o detector deve contar alguns neutrinos "relíquia" todos os meses, diz Nakahata, que é físico na Universidade de Tóquio.

Super-K fica a 1.000 metros sob uma montanha perto de Hida, no centro do Japão. No interior, as moléculas de água captam neutrinos que fluem através do solo, do Sol e da atmosfera, ou que são emitidos por um acelerador de partículas a centenas de quilômetros de distância. Ainda este ano, o observatório adicionará o gadolínio de metal de terras raras à água. Isso tornará o detector muito melhor na distinção entre diferentes tipos, ou "sabores", de neutrinos, bem como suas antipartículas, antineutrinos.

http://www-sk.icrr.u-tokyo.ac.jp/sk/

Em 1987, o detector Kamiokande, o menor antecessor da Super-K, detectou os primeiros neutrinos de uma supernova. A dúzia de neutrinos veio da Supernova 1987A, que ocorreu na Grande Nuvem de Magalhães, uma pequena galáxia que orbita a Via Láctea. O experiente chefe, Masatoshi Koshiba, dividiu o prêmio de física do Nobel em 2002 em parte por essa descoberta. Mas nenhum neutrino foi ligado a uma supernova desde então.

Físico Masayuki Nakahata dentro do detector Super-K. Crédito: Noah Baker / Nature

Fontes: Nature / Super-Kamiokande / https://theta360.com