Número de mortos em Moçambique pode ultrapassar 1.000, mais de 15.000 pessoas estão desaparecidas após destruição massiva do Ciclone Tropical "Idai".

MAIS NOTÍCIAS

Milhares de pessoas ainda precisam ser resgatadas após um ciclone devastador atingir os países da África Austral. Espera-se que o número de mortos atinja pelo menos 1.000 pessoas, com uma estimativa de 15.000 pessoas ainda desaparecidas. Os sobreviventes estão enfrentando uma crise humanitária, com os sistemas de água e saneamento fortemente danificados pela tempestade.

Milhares de pessoas estão fazendo uma viagem sinistra até à cidade da Beira, em Moçambique, que, embora fortemente danificada, é agora um centro de esforços de salvamento. Alguns caminhavam por estradas esculpidas pelas águas revoltas, enquanto outros eram transportados por pescadores locais. Helicópteros saíram à chuva para mais um dia de esforços para encontrar pessoas agarradas a telhados e árvores. O número confirmado de mortes no Zimbábue, vizinho de Moçambique e Maláui, superou 500 na quinta-feira, com centenas mais temidas em áreas totalmente submersas pelo ciclone Idai. Aqueles que chegam à Beira …

Anna Coleman Ladd, devolveu os rostos de soldados franceses mutilados pela guerra de 1918.




A Primeira Guerra Mundial causou a morte de milhões de combatentes e civis, enquanto inúmeros soldados sofreram ferimentos e desfiguração. 

Talvez os mais desalentadores fossem os ferimentos faciais, já que os soldados tinham que lidar não apenas com a perda física, mas também com o constante estresse psicológico de se perguntar como as pessoas reagiriam à sua aparência alterada. 
Esses homens se preocupavam com a volta ao lar - como reagiriam os estranhos, mas, mais importante, como seriam tratados por amigos e familiares.


A cirurgia e o enxerto de pele foram uma opção para alguns, mas muitos sofreram ferimentos que foram além da capacidade da cirurgia de reparar. Esses desafortunados soldados se voltaram para máscaras de retrato. 

Em vídeo:

Tudo começou em 1917, quando Anna Coleman Ladd, que era então escultora e socialite vivendo em Boston, ler sobre o trabalho de um escultor chamado“Tin Noses Shop”, um estúdio de criação de máscaras para soldados britânicos desfigurados. 
Inspirada, Ladd montou seu próprio estúdio em Paris e começou a esculpir novos rostos para aqueles que haviam perdido um pedaço deles na guerra de trincheiras.


O primeiro passo, no processo real de restaurar o rosto de um mutilado, era fazer um molde de gesso de seu rosto danificado. Então, usando as informações obtidas em suas entrevistas e fotografias, Anna construía as feições perdidas ou arruinadas no gesso até que o soldado dissesse: “C'est moi!” (Sou eu!). 


Em seguida, foi feita uma máscara de guta-percha (um tipo de látex) da área que precisa ser restaurada. Algumas máscaras cobriam todo o rosto, mas a maioria era de máscaras parciais, cobrindo um queixo e uma face, ou um nariz e um olho, o que quer que estivesse danificado.


A máscara de guta-percha foi suspensa em banho de cobre por dois dias até que uma película fina de cobre fosse depositada nela, resultando em uma máscara de cobre leve que poderia ser pintada. Anna pintou a máscara enquanto estava no rosto do homem para combinar melhor com os tons de pele. Se a desfiguração incluísse toda a boca, ela modelaria os lábios com espaço para acomodar uma piteira. 



Para aqueles que desejavam, um bigode poderia ser adicionado. Anna Coleman Ladd teve grande cuidado em produzir máscaras que permitissem aos homens que davam tanto para o seu país regressarem tão fisicamente quanto possível. A maioria das máscaras eram mantidas no lugar com óculos, mas, se um soldado não queria óculos, Anna encontrou métodos alternativos, como fios ou fitas finos, para proteger a máscara.


Em cerca de um ano e meio, Ladd e seus colegas esculpiram quase 100 máscaras, cada uma delas com um trabalho intensivo. O custo médio das máscaras era de apenas US $ 18 devido, em grande parte, ao fato de que os serviços de Anna foram doados. Quando a guerra terminou, a Cruz Vermelha não conseguiu mais financiar seu estúdio, então os estúdios fecharam. Ladd retornou a Boston, onde retomou os bustos de retrato e a arte para fontes.

Em 1932, o governo francês fez dela uma Chevalier da Legião de Honra, em reconhecimento ao trabalho que ela tinha feito. A correlação atual com o trabalho de Ladd é o campo da anaplastologia. A anaplastologia é a arte e a ciência de restaurar a anatomia ausente ou malformada por meios artificiais.



Fontes: rarehistoricalphotos / Youtube