ATENÇÃO! Cinzas do Vulcão Ubinas sobre SP, PR e RJ!

MAIS NOTÍCIAS

Vulcão Ubinas, no Peru, registra maior explosão em 300 anos. Texto de Everton S. Gonçalves  Pluma de cinzas vulcânicas chegam sobre o centro sul do Brasil nessa manhã de sábado, originada da erupção do vulcão Ubinas no Peru.



Mais cedo estavam concentradas sobre PR e SP. Agora estão concentradas entre SP e RJ, avançando para o mar.  Como estão em altitudes bem elevadas, vai ser pouco sentido pela população. 
No máximo, o céu vai ficar cinzento durante o dia e o pôr do sol pode ser diferenciado, na luminosidade e cores, principalmente mais avermelhado e rosado.
Em 2015 as cinzas do Vulcão Cabulco, no Chile, chegaram ao Sudeste do Brasil. As imagens abaixo mostram o efeito óptico atmosférico causados pelas cinzas ao Pôr do Sol.



Mas vale destacar que cinzas vulcânicas são um grande risco para a aviação. Queromos acreditar que nossas autoridades estejam monitorando essa situação.




Com informações de Everton S. Gonçalves 
Em atualização...
Fique ligado! Acompanhe nosso SITE! Monitore…

Astrônomos descobriram 83 quasares alimentados por buracos negros supermassivos no universo primitivo.

MAIS NOTÍCIAS

Astrônomos do Japão, de Taiwan e da Universidade de Princeton descobriram 83 quasares alimentados por buracos negros supermassivos no universo distante, de uma época em que o universo tinha menos de 10% de sua idade atual.


"É notável que esses objetos tão densos pudessem se formar logo após o Big Bang", disse Michael Strauss, professor de ciências astrofísicas da Universidade de Princeton, um dos co-autores do estudo. "Compreender como os buracos negros podem se formar no início do universo, e quão comuns eles são, é um desafio para nossos modelos cosmológicos."

Essa descoberta aumenta consideravelmente o número de buracos negros conhecidos naquela época e revela, pela primeira vez, quão comuns eles são no início da história do universo. Além disso, ele fornece uma nova visão sobre o efeito dos buracos negros sobre o estado físico do gás no início do universo em seus primeiros bilhões de anos. A pesquisa aparece em uma série de cinco artigos publicados no The Astrophysical Journal e no Publications of the Astronomical Observatory of Japan.

Buracos negros supermassivos, encontrados nos centros de galáxias, podem ser milhões ou até bilhões de vezes mais massivos que o sol. Enquanto eles prevalecem hoje, não está claro quando eles se formaram, e quantos existiam no universo primitivo distante. Um buraco negro supermassivo torna-se visível quando o gás se acumula nele, fazendo com que ele brilhe como um "quasar". Estudos anteriores foram sensíveis apenas aos quasares muito raros e mais luminosos e, portanto, aos buracos negros mais massivos. As novas descobertas sondam a população de quasares mais fracos, alimentados por buracos negros com massas comparáveis ​​à maioria dos buracos negros vistos no universo atual.

Nesta fotografia tirada pela Câmera Hyper-Suprime no Telescópio Subaru em Maunakea, a luz brilha de um dos quasares mais distantes conhecidos, alimentado por um buraco negro supermassivo a 13,05 bilhões de anos-luz da Terra. Os outros objetos no campo são principalmente estrelas em nossa Via Láctea ou galáxias ao longo da linha de visão.
Crédito: Observatório Astronômico Nacional do Japão


A equipe de pesquisa usou dados obtidos com um instrumento de ponta, o "Hyper Suprime-Cam" (HSC), montado no Telescópio Subaru do Observatório Astronômico Nacional do Japão, localizado no cume de Maunakea, no Havaí. O HSC tem um gigantesco campo de visão - 1,77 graus de diâmetro, ou sete vezes a área da lua cheia - montado em um dos maiores telescópios do mundo. A equipe do HSC está examinando o céu ao longo de 300 noites de telescópio, espalhadas por cinco anos.

A equipe selecionou candidatos a quasar distantes dos dados sensíveis da pesquisa do HSC. Eles então realizaram uma intensa campanha de observação para obter espectros desses candidatos, usando três telescópios: o Telescópio Subaru; o Gran Telescopio Canarias, na ilha de La Palma, nas Canárias, Espanha; e o Telescópio Gemini Sul, no Chile. A pesquisa revelou 83 quasares desconhecidos e muito desconhecidos. Juntamente com 17 quasares já conhecidos na região pesquisada, os pesquisadores descobriram que há aproximadamente um buraco negro supermassivo por giga-ano-luz cúbico - em outras palavras, se você fragmentou o universo em cubos imaginários que estão a um bilhão de anos-luz um lado, cada um seguraria um buraco negro supermassivo.

A amostra de quasares neste estudo é de cerca de 13 bilhões de anos-luz de distância da Terra; em outras palavras, estamos vendo-as como elas existiam 13 bilhões de anos atrás. Como o Big Bang ocorreu 13,8 bilhões de anos atrás, estamos efetivamente olhando para trás no tempo, vendo esses quasares e buracos negros supermassivos como eles apareceram apenas cerca de 800 milhões de anos após a criação do universo (conhecido).

É amplamente aceito que o hidrogênio no universo já foi neutro, mas foi "reionizado" - dividir em seus componentes prótons e elétrons - por volta da época em que a primeira geração de estrelas, galáxias e buracos negros supermassivos nasceram, nos primeiros. cem milhões de anos após o Big Bang. Este é um marco da história cósmica, mas os astrônomos ainda não sabem o que forneceu a incrível quantidade de energia necessária para causar a reionização. Uma hipótese convincente sugere que havia muito mais quasares no universo primitivo do que o detectado anteriormente, e é a sua radiação integrada que reionizou o universo.

"No entanto, o número de quasares que observamos mostra que este não é o caso", explicou Robert Lupton, Ph.D. em 1985. ex-aluno que é um cientista sênior de pesquisa em ciências astrofísicas. "O número de quasares vistos é significativamente menor do que o necessário para explicar a reionização". A reionização foi, portanto, causada por outra fonte de energia, provavelmente várias galáxias que começaram a se formar no universo jovem.
O presente estudo foi possível graças à capacidade de pesquisa líder mundial da Subaru e HSC. "Os quasares que descobrimos serão um assunto interessante para mais observações de acompanhamento com instalações atuais e futuras", disse Yoshiki Matsuoka, ex-pesquisador de pós-doutorado de Princeton na Universidade de Ehime, no Japão, que liderou o estudo. "Também aprenderemos sobre a formação e evolução inicial de buracos negros supermassivos, comparando a densidade numérica medida e a distribuição de luminosidade com previsões de modelos teóricos."

Com base nos resultados obtidos até agora, a equipe está ansiosa para encontrar buracos negros ainda mais distantes e descobrir quando o primeiro buraco negro supermassivo apareceu no universo.


Mais informações: Os resultados do presente estudo estão publicados nos cinco artigos seguintes - o segundo artigo em particular.

Yoshiki Matsuoka et al, Discovery of the First Low-luminosity Quasar at z > 7, The Astrophysical Journal (2019). DOI: 10.3847/2041-8213/ab0216

Yoshiki Matsuoka et al, Subaru High-z Exploration of Low-luminosity Quasars (SHELLQs). V. Quasar Luminosity Function and Contribution to Cosmic Reionization at z = 6, The Astrophysical Journal (2018). DOI: 10.3847/1538-4357/aaee7a

Yoshiki Matsuoka et al. Subaru High-z Exploration of Low-luminosity Quasars (SHELLQs). IV. Discovery of 41 Quasars and Luminous Galaxies at 5.7 ≤ z ≤ 6.9, The Astrophysical Journal Supplement Series (2018). DOI: 10.3847/1538-4365/aac724

Yoshiki Matsuoka et al. Subaru High-z Exploration of Low-Luminosity Quasars (SHELLQs). II. Discovery of 32 quasars and luminous galaxies at 5.7 < z ≤ 6.8, Publications of the Astronomical Society of Japan (2017). DOI: 10.1093/pasj/psx046

Yoshiki Matsuoka et al. SUBARU HIGH-zEXPLORATION OF LOW-LUMINOSITY QUASARS (SHELLQs). I. DISCOVERY OF 15 QUASARS AND BRIGHT GALAXIES AT 5.7 The Astrophysical Journal (2016). DOI: 10.3847/0004-637X/828/1/26

Journal reference: Astrophysical Journal
Fonte: Phys.Org