TERREMOTO - Goiás foi atingido por dois terremotos em menos de uma hora.

MAIS NOTÍCIAS

O Observatório Sismológico da UnB registrou dois terremotos de magnitudes 3.5 e 3.0 na cidade de em Aruanã, no interior de Goiás. Não houve registro de danos.


Fique ligado! Acompanhe nosso SITE! Monitore as tempestades AQUI Monitore o SolAQUI
MAIS NOTÍCIAS

Conheça uma Galáxia monstro com três núcleos que cria 1000 vezes mais estrelas que a Via Láctea.


ALMA Observou um Monstro Imparável no Universo Primitivo.
Os astrônomos obtiveram o gráfico de anatomia detalhado de uma galáxia monstruosa localizada a 12,4 bilhões de anos-luz de distância. 
Usando o Atacama Large Millimeter / submillimeter Array (ALMA), a equipe revelou que as nuvens moleculares na galáxia são altamente instáveis, o que leva à formação descontrolada de estrelas. Acredita-se que as galáxias de monstros sejam os ancestrais das enormes galáxias elípticas do Universo de hoje; portanto, essas descobertas abrem o caminho para entender a formação e evolução de tais galáxias.

Concepção artísitca da supergaláxia COSMOS-AzTEC-1 — Foto: Observatório Nacional Astronômico do Japão

"Uma das melhores partes das observações do ALMA é ver as galáxias distantes com uma resolução sem precedentes", diz Ken-ichi Tadaki, pesquisador de pós-doutorado da Sociedade Japonesa para a Promoção da Ciência e do Observatório Astronômico Nacional do Japão, principal autor do artigo de pesquisa publicado na revista Nature.

Galáxias monstruosas, ou galáxias estelares, formam estrelas em um ritmo surpreendente; 1000 vezes maior que a taxa de formação de estrelas na nossa galáxia. Mas, por que eles são tão ativas? 

Para resolver esse problema, os pesquisadores precisam conhecer o ambiente em torno dos berçários estelares. Desenhar mapas detalhados de nuvens moleculares é um passo crucial para explorar esses monstros cósmicos.

Tadaki e a equipe visaram uma galáxia quimérica COSMOS-AzTEC-1. Esta galáxia foi descoberta pela primeira vez com o Telescópio James Clerk Maxwell no Havaí, e mais tarde o Grande Telescópio Milimétrico (LMT) no México encontrou uma enorme quantidade de gás monóxido de carbono na galáxia e revelou sua explosão estelar oculta. As observações LMT também mediram a distância até a galáxia e descobriram que ela é de 12,4 bilhões de anos-luz.

Pesquisadores descobriram que o COSMOS-AzTEC-1 é rico em ingredientes de estrelas, mas ainda é difícil descobrir a natureza do gás cósmico na galáxia. A equipe utilizou a alta resolução e alta sensibilidade do ALMA para observar esta galáxia monstruosa e obter um mapa detalhado da distribuição e do movimento do gás. Graças à configuração mais alargada da antena ALMA de 16 km, este é o mapa de gás molecular de maior resolução de uma galáxia monstruosa distante.

“Descobrimos que existem duas grandes nuvens distintas a milhares de anos-luz de distância do centro”, explica Tadaki. “Na maioria das galáxias estelares distantes, as estrelas são ativamente formadas no centro. É surpreendente encontrar nuvens descentradas. ”

ALMA revelou a distribuição de gás molecular (esquerda) e partículas de poeira (direita). Além da nuvem densa no centro, a equipe de pesquisa encontrou duas nuvens densas a milhares de anos-luz de distância do centro. Essas densas nuvens são dinamicamente instáveis e consideradas os locais de intensa formação estelar. Crédito: ALMA (ESO / NAOJ / NRAO), Tadaki et al..

Os astrônomos investigaram a natureza do gás no COSMOS-AzTEC-1 e descobriram que as nuvens ao longo da galáxia são muito instáveis, o que é incomum. Em uma situação típica, a gravidade interna e a pressão externa são equilibradas nas nuvens. Quando a gravidade supera a pressão, a nuvem de gás entra em colapso e forma estrelas em um ritmo rápido. Então, estrelas e explosões de supernova no final do ciclo de vida estelar eliminam gases, o que aumenta a pressão para fora. Como resultado, a gravidade e a pressão alcançam um estado equilibrado e a formação de estrelas continua a um ritmo moderado. Desta forma, a formação de estrelas nas galáxias é auto-reguladora. No entanto, no COSMOS-AzTEC-1, a pressão é muito mais fraca do que a gravidade e é difícil de equilibrar. Portanto, esta galáxia mostra a formação de estrelas em fuga e se transformou em uma galáxia monstro imparável.

A equipe estimou que o gás no COSMOS-AzTEC-1 será completamente consumido em 100 milhões de anos, o que é dez vezes mais rápido do que em outras galáxias em formação de estrelas.

No entanto, por que o gás no COSMOS-AzTEC-1 é tão instável? Os pesquisadores ainda não têm uma resposta definitiva, mas a fusão de galáxias é uma possível causa. A colisão de galáxias pode ter transportado o gás de maneira eficiente para uma pequena área e inflamado a formação de estrelas intensas.

“Neste momento, não temos evidências de fusão nesta galáxia. Observando outras galáxias similares com o ALMA, queremos desvendar a relação entre fusões de galáxias e galáxias monstruosas ”, resume Tadaki.

Fonte: ALMA Observatory, Santiago - Chile