Número de mortos em Moçambique pode ultrapassar 1.000, mais de 15.000 pessoas estão desaparecidas após destruição massiva do Ciclone Tropical "Idai".

MAIS NOTÍCIAS

Milhares de pessoas ainda precisam ser resgatadas após um ciclone devastador atingir os países da África Austral. Espera-se que o número de mortos atinja pelo menos 1.000 pessoas, com uma estimativa de 15.000 pessoas ainda desaparecidas. Os sobreviventes estão enfrentando uma crise humanitária, com os sistemas de água e saneamento fortemente danificados pela tempestade.

Milhares de pessoas estão fazendo uma viagem sinistra até à cidade da Beira, em Moçambique, que, embora fortemente danificada, é agora um centro de esforços de salvamento. Alguns caminhavam por estradas esculpidas pelas águas revoltas, enquanto outros eram transportados por pescadores locais. Helicópteros saíram à chuva para mais um dia de esforços para encontrar pessoas agarradas a telhados e árvores. O número confirmado de mortes no Zimbábue, vizinho de Moçambique e Maláui, superou 500 na quinta-feira, com centenas mais temidas em áreas totalmente submersas pelo ciclone Idai. Aqueles que chegam à Beira …

Contas do setor público têm superávit nominal de R$ 26 bilhões em janeiro.


Resultado reúne valores da União, dos estados e dos municípios

Arquivo/Agência Brasil
Empresas estatais registraram superávit de R$ 507 milhões no primeiro mês de 2019


Em janeiro, o governo fechou o mês com as contas equilibradas. O resultado nominal, que equivale a diferença entre arrecadação de impostos e gastos, deixou um saldo positivo de R$ 26 bilhões, número 39,8% maior que o registrado em igual mês do ano passado.

No período, também foi possível registrar superávit primário (economia para pagar os juros da dívida) de R$ 46,9 bilhões. Os dados são do Banco Central e foram divulgados nesta quinta-feira (28).

Segundo a instituição, houve ainda uma redução no gasto com juros nominais. Em janeiro, essa despesa ficou em R$ 20,8 bilhões, número 26,35% menor que o registrado em igual mês do ano passado, quando esse valor foi de R$ 28,3 bilhões. Parte dessa queda se explica pela redução da taxa básica de juros (Selic), que está no menor nível histórico, em 6,5% ao ano.

Fonte: Governo do Brasil, com informações do Banco Central