ATENÇÃO! Cinzas do Vulcão Ubinas sobre SP, PR e RJ!

MAIS NOTÍCIAS

Vulcão Ubinas, no Peru, registra maior explosão em 300 anos. Texto de Everton S. Gonçalves  Pluma de cinzas vulcânicas chegam sobre o centro sul do Brasil nessa manhã de sábado, originada da erupção do vulcão Ubinas no Peru.



Mais cedo estavam concentradas sobre PR e SP. Agora estão concentradas entre SP e RJ, avançando para o mar.  Como estão em altitudes bem elevadas, vai ser pouco sentido pela população. 
No máximo, o céu vai ficar cinzento durante o dia e o pôr do sol pode ser diferenciado, na luminosidade e cores, principalmente mais avermelhado e rosado.
Em 2015 as cinzas do Vulcão Cabulco, no Chile, chegaram ao Sudeste do Brasil. As imagens abaixo mostram o efeito óptico atmosférico causados pelas cinzas ao Pôr do Sol.



Mas vale destacar que cinzas vulcânicas são um grande risco para a aviação. Queromos acreditar que nossas autoridades estejam monitorando essa situação.




Com informações de Everton S. Gonçalves 
Em atualização...
Fique ligado! Acompanhe nosso SITE! Monitore…

Enorme meteoro explodiu na atmosfera da Terra com 10 vezes mais energia que a liberada pela bomba de Hiroshima...e ninguém viu!

MAIS NOTÍCIAS

A rocha espacial explodiu com 10 vezes da energia liberada pela bomba atômica de Hiroshima. Mas quase passou despercebido, até agora, porque explodiu sobre o Mar de Bering, na península de Kamchatka, na Rússia.
Desenho artístico
A explosão foi a segunda maior de seu tipo em 30 anos, e a maior desde a disputa pela Chelyabinsk na Rússia há seis anos. Lindley Johnson, oficial de defesa planetária da Nasa, disse que só é esperado cerca de duas ou três vezes a cada 100 anos.
Um vídeo mostrando a trilha de fumaça do meteoro no Estreito de Bering em dezembro passado. Foi produzido usando dados do satélite JMA_kishou Himawari.
A trilha de meteoro laranja no meio, a fumaça acima da esquerda.
Cópia de alta resolução: https://https://www2.physics.ox.ac.uk/sites/default/files/profiles/proud/him8-meteor-44706.gif


O que nós sabemos?
Por volta do meio-dia, hora local, em 18 de dezembro, o asteroide atravessou a atmosfera a uma velocidade de 32 km / s (20 milhas por segundo), em uma trajetória de sete graus.
Medindo vários metros de tamanho, a rocha espacial explodiu 25,6 km acima da superfície da Terra, com uma energia de impacto de 173 quilotoneladas.
"Isso foi 40% da liberação de energia de Chelyabinsk, mas foi sobre o Mar de Bering, então não teve o mesmo tipo de efeito ou apareceu nas notícias", disse Kelly Fast, gerente de programa de observações de objetos próximos à Terra da Nasa. 
"Isso é outra coisa que temos em nossa defesa, há muita água no planeta."
Satélites militares capturaram a explosão no ano passado; A Nasa foi notificada do evento pela Força Aérea dos EUA.
Johnson disse que a bola de fogo veio em uma área não muito distante das rotas usadas pelos planos comerciais que voam entre a América do Norte e a Ásia. Então, os pesquisadores têm checado as companhias aéreas para ver se houve algum relato de avistamento do evento.

Qual o significado?
Em 2005, o Congresso incumbiu a Nasa de encontrar 90% dos asteróides próximos à Terra, com 140 m de tamanho, até 2020. As rochas espaciais deste tamanho são chamadas de "problemas sem passaporte", porque se espera que afetem regiões inteiras se eles colidem com a Terra. Mas os cientistas estimam que levarão mais 30 anos para cumprir essa diretriz do Congresso.

Uma vez que um objeto de entrada é identificado, a Nasa teve algum sucesso notável em calcular onde na Terra o impacto ocorrerá, com base em uma determinação precisa de sua órbita.

Em junho de 2018, o pequeno asteroide 2018 LA de 3m (10 pés) foi descoberto por um observatório terrestre no Arizona oito horas antes do impacto. O Centro de Estudos de Objetos Próximo da Terra no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa (JPL) fez então uma determinação precisa de sua órbita, que foi usada para calcular uma provável localização de impacto. Isso mostrou que a rocha provavelmente atingiria o sul da África.

Assim como o cálculo sugeriu, uma bola de fogo foi gravada sobre o Botswana por imagens de câmera de segurança em uma fazenda. Fragmentos do objeto foram encontrados mais tarde na área.


Como o monitoramento pode ser melhorado?
O evento mais recente sobre o Mar de Bering mostra que objetos maiores podem colidir conosco sem aviso prévio, reforçando a necessidade de monitoramento aprimorado.
Uma rede mais robusta dependeria não apenas dos telescópios terrestres, mas também dos observatórios espaciais.
Um conceito de missão em desenvolvimento seria ver um telescópio chamado NeoCam lançado para um ponto de equilíbrio gravitacional no espaço, onde iria descobrir e caracterizar asteróides potencialmente perigosos maiores que 140m.
O satélite japonês Himawari captura a descida íngreme da bola de fogo. HIMAWARI/JMA/SIMON_SAT

A Dra. Amy Mainzer, cientista-chefe do NeoCam no JPL, disse: "A ideia é chegar o mais perto possível de atingir os 90% de meta de encontrar os 140m e maiores asteroides próximos à Terra dados à Nasa pelo Congresso.
Ela disse que se a missão não fosse lançada, as projeções sugeriam que "levaria muitos anos para chegar lá com o conjunto existente de levantamentos em terra".
Dr. Mainzer acrescentou: "Mas se você tem um telescópio infravermelho, ele vai muito mais rápido".

Do conteúdo: BBC/Twitter