Número de mortos em Moçambique pode ultrapassar 1.000, mais de 15.000 pessoas estão desaparecidas após destruição massiva do Ciclone Tropical "Idai".

MAIS NOTÍCIAS

Milhares de pessoas ainda precisam ser resgatadas após um ciclone devastador atingir os países da África Austral. Espera-se que o número de mortos atinja pelo menos 1.000 pessoas, com uma estimativa de 15.000 pessoas ainda desaparecidas. Os sobreviventes estão enfrentando uma crise humanitária, com os sistemas de água e saneamento fortemente danificados pela tempestade.

Milhares de pessoas estão fazendo uma viagem sinistra até à cidade da Beira, em Moçambique, que, embora fortemente danificada, é agora um centro de esforços de salvamento. Alguns caminhavam por estradas esculpidas pelas águas revoltas, enquanto outros eram transportados por pescadores locais. Helicópteros saíram à chuva para mais um dia de esforços para encontrar pessoas agarradas a telhados e árvores. O número confirmado de mortes no Zimbábue, vizinho de Moçambique e Maláui, superou 500 na quinta-feira, com centenas mais temidas em áreas totalmente submersas pelo ciclone Idai. Aqueles que chegam à Beira …

Juan Guaidó pediu aos passageiros do voo em que ele estava: "Não compartilhem sobre minha presença nesse voo..."



Apesar de Guaidó já ter alertado sobre seu retorno à Venezuela na segunda-feira, ninguém esperava que ele o fizesse em um voo comercial (voo 222 da companhia aérea Copa Airlines, do Panamá), muito menos do Panamá, já que sua última localização conhecida neste domingo foi a Colômbia.



Os passageiros e a tripulação ficaram surpresos. 

Entre aplausos, selfies e mensagens de agradecimento eles o receberam no avião que os levaria ao aeroporto internacional de Maiquetía, onde então o presidente encarregado entrou sem problemas.

Em um breve discurso, Guaidó agradeceu aos presentes e pediu que não compartilhassem informações sobre sua presença naquele voo até que a porta fosse aberta, já na Venezuela, com o objetivo de reduzir os riscos de uma possível detenção.


"Não vamos comunicar nada até que a porta seja aberta, não quando pousarmos, não, mas quando a porta se abrir, vamos começar a nos comunicar com seus parentes, seus amigos", avisou aos passageiros. (Credito da inagem ao lado: Juan Guaidó)


Ele pediu aos presentes para não assumirem "riscos desnecessários", mas, quando possível, documentar os eventos que poderiam ocorrer. "Registre o que vai acontecer", disse ele. 

"É emocionante poder ver todos eles", acrescentou.

Fonte: Youtube/Maduradas