ATENÇÃO! Cinzas do Vulcão Ubinas sobre SP, PR e RJ!

MAIS NOTÍCIAS

Vulcão Ubinas, no Peru, registra maior explosão em 300 anos. Texto de Everton S. Gonçalves  Pluma de cinzas vulcânicas chegam sobre o centro sul do Brasil nessa manhã de sábado, originada da erupção do vulcão Ubinas no Peru.



Mais cedo estavam concentradas sobre PR e SP. Agora estão concentradas entre SP e RJ, avançando para o mar.  Como estão em altitudes bem elevadas, vai ser pouco sentido pela população. 
No máximo, o céu vai ficar cinzento durante o dia e o pôr do sol pode ser diferenciado, na luminosidade e cores, principalmente mais avermelhado e rosado.
Em 2015 as cinzas do Vulcão Cabulco, no Chile, chegaram ao Sudeste do Brasil. As imagens abaixo mostram o efeito óptico atmosférico causados pelas cinzas ao Pôr do Sol.



Mas vale destacar que cinzas vulcânicas são um grande risco para a aviação. Queromos acreditar que nossas autoridades estejam monitorando essa situação.




Com informações de Everton S. Gonçalves 
Em atualização...
Fique ligado! Acompanhe nosso SITE! Monitore…

Novas surpresas sobre Júpiter. Dados mais recentes das missões Juno e Cassini desafiam as atuais teorias de formação planetária.

MAIS NOTÍCIAS

Campo magnético de Júpiter. Credito: Caltech

Os dados mais recentes enviados pela sonda Juno e Cassini de gigantes planetas de gás Júpiter e Saturno desafiaram muitas teorias atuais sobre como os planetas em nosso sistema solar se formam e se comportam.

Os dados magnéticos e gravimétricos detalhados foram "inestimáveis, mas também confusos", disse David Stevenson, da Caltech, que apresentará uma atualização de ambas as missões esta semana, na reunião de março de 2019 da American Physical Society, em Boston. Ele também participará de uma coletiva de imprensa descrevendo o trabalho. As informações para fazer logon para assistir e fazer perguntas remotamente estão incluídas no final deste comunicado à imprensa.

"Embora ainda haja quebra-cabeças a serem explicados, isso já está esclarecendo algumas das nossas idéias sobre como os planetas se formam, como eles fazem os campos magnéticos e como os ventos sopram", disse Stevenson.

A Cassini orbitou Saturno por 13 anos antes de seu dramático mergulho final no interior do planeta em 2017, enquanto Juno esteve em órbita de Júpiter por dois anos e meio.

O sucesso da Juno como missão a Jupiter é uma homenagem ao design inovador. Seus instrumentos são alimentados apenas pela energia solar e protegidos para suportar o ambiente de radiação intenso.

Stevenson diz que a inclusão de um sensor de microondas em Juno foi uma boa decisão.

"Usar microondas para descobrir a atmosfera profunda era a escolha certa, mas não convencional", disse ele. Os dados de microondas surpreenderam os cientistas, em particular ao mostrar que a atmosfera é uniformemente mista, algo que as teorias convencionais não previram.

Arte Juno e Júpiter - NASA

"Qualquer explicação para isso tem que ser pouco ortodoxa", disse Stevenson.
Pesquisadores estão explorando eventos climáticos que concentram quantidades significativas de gelo, líquidos e gás em diferentes partes da atmosfera, como possíveis explicações, mas o assunto está longe de ser fechado.

Outros instrumentos a bordo de sensores Juno, gravimétricos e magnéticos também enviaram dados desconcertantes. O campo magnético possui pontos (regiões de campo magnético anormalmente alto ou baixo) e também uma diferença marcante entre os hemisférios norte e sul.

"É diferente de tudo que já vimos antes", disse Stevenson.

Os dados da gravidade confirmaram que no meio de Júpiter, que é pelo menos 90% de hidrogênio e hélio em massa, existem elementos mais pesados ​​que somam mais de dez vezes a massa da Terra. No entanto, eles não estão concentrados em um núcleo, mas são misturados com o hidrogênio acima, a maioria dos quais está na forma de um líquido metálico.

Os dados forneceram informações valiosas sobre as partes externas de Júpiter e Saturno. A abundância de elementos mais pesados ​​nessas regiões ainda é incerta, mas as camadas externas desempenham um papel maior do que o esperado na geração dos campos magnéticos dos dois planetas. Experimentos imitando as pressões e temperaturas dos planetas de gás são agora necessários para ajudar os cientistas a entenderem os processos que estão ocorrendo.

Para Stevenson, que estudou os gigantes do gás há 40 anos, os quebra-cabeças são a marca de uma boa missão.

"Uma missão bem-sucedida é uma que nos surpreende. A ciência seria chata se apenas confirmasse o que pensávamos anteriormente", disse ele.

Vídeo do campo magnético de Júpiter. Crédito: Caltech
"Qualquer explicação para isso deve ser heterodoxa", diz Stevenson.


Mais informações: A apresentação da reunião do APS de março de 2019, "O que Juno e Cassini nos disseram sobre o interior do Giant Planet", de David Stevenson, será realizada na quarta-feira, 6 de março, às 14h30. no quarto 258C do Centro de Convenções e Exposições de Boston. Resumo: meetings.aps.org/Meeting/MAR19/Session/P62.1

https: phys.org