TERREMOTO - Goiás foi atingido por dois terremotos em menos de uma hora.

MAIS NOTÍCIAS

O Observatório Sismológico da UnB registrou dois terremotos de magnitudes 3.5 e 3.0 na cidade de em Aruanã, no interior de Goiás. Não houve registro de danos.


Fique ligado! Acompanhe nosso SITE! Monitore as tempestades AQUI Monitore o SolAQUI
MAIS NOTÍCIAS

Órion Magnético. SOFIA mediu a polarização da luz infravermelha e revelou alinhamentos de grãos de poeira por campos magnéticos expansivos.


Como os campos magnéticos afetam o processo de formação de estrelas, ainda não foi bem compreendido.
Na imagem em destaque, esses campos magnéticos são mostrados como linhas curvas sobrepostas em uma imagem infravermelha da Nebulosa de Órion tomada por um Very Large Telescope no Chile.A Nebulosa de Órion a cerca de l300 anos-luz de distância é a região de formação de estrelas mais próxima do Sol. 
Crédito de imagem: NASA, SOFIA, D. Chuss et al. & ESO, M. McCaughrean et al.

Uma compilação de resultados científicos do Observatório Estratosférico de Astronomia Infravermelha, SOFIA, revela novas pistas sobre como as estrelas se formam e galáxias evoluem, e mais perto de entender o ambiente da Europa e seus oceanos subsuperficiais. 

O observatório aéreo transporta um conjunto de instrumentos, cada um sensível às diferentes propriedades da luz infravermelha, que dá aos astrônomos insights sobre o fluxo de matéria nas galáxias.

"Grande parte da luz do universo é emitida na faixa infravermelha que não atinge a superfície da Terra", disse Bill Reach, assessor científico chefe do Centro de Ciências SOFIA da Universidade de Pesquisa Espacial. "Observações infravermelhas da SOFIA, que sobrevoa a maior parte da atmosfera, permitem estudar o que está acontecendo nas profundezas das nuvens cósmicas, analisar os campos magnéticos celestes e investigar o universo químico de maneiras que não são possíveis com a luz visível".

Ao contrário dos telescópios baseados no espaço, os instrumentos da SOFIA podem ser trocados, ou atualizados para aproveitar novas tecnologias. Seu mais novo instrumento, chamado de alta resolução Airborne Wideband Camera-Plus, ou HAWC +, permite estudos de campos magnéticos celestes com precisão inovadora.

"Como os campos magnéticos afetam o processo de formação de estrelas não foi bem compreendido, embora há muito se suspeite que eles desempenham um papel importante", disse David Chuss, professor de física da Universidade de Villanova, na Pensilvânia. "Com o instrumento HAWC + da SOFIA, podemos agora começar a entender como esses campos influenciam a dinâmica de regiões onde o gás e a poeira estão colapsando para produzir novas estrelas."

HAWC+ instrument (NASA/SOFIA/Ryan Hamilton)

Algumas observações destacadas no Astrophysical Journal “Focus on Results from SOFIA” incluem:
Os campos magnéticos na Nebulosa Órion impedem que as nuvens em formação de estrelas colapsem sob a gravidade, regulando assim a formação de novas estrelas. 
Isso pode ajudar a explicar melhor o número de estrelas em nossa galáxia e as que podem se formar no futuro. 

Se campos magnéticos inibem o colapso gravitacional de nuvens celestes em outras regiões da galáxia, o número de novas estrelas pode ser menor do que os modelos atuais predizem.

Os campos magnéticos estão retendo material, mantendo-o próximo o suficiente para ser alimentado no buraco negro na Galáxia Cygnus A . 

Essas descobertas podem significar que os campos magnéticos regulam a atividade dos buracos negros e explicam porque alguns estão ativamente devorando material de seu entorno, enquanto outros, como o da nossa Via Láctea, não estão.

Um mapa da grande galáxia espiral M51 (também conhecida como a Galáxia do Redemoinho), incluindo sua pequena galáxia companheira, revela que o companheiro não está formando novas estrelas na mesma proporção que o vizinho maior. Entender como as estrelas nascem em diferentes ambientes celestes é fundamental para aprender como o nascimento de estrelas evoluiu do universo primitivo até os dias atuais.

A região chamada Sagitário B1 - perto do buraco negro no centro da nossa Via Láctea - deve ser parte de um grande complexo jovem de formação estelar, mas as estrelas foram formadas em outros lugares e são remanescentes de uma geração anterior de formação de estrelas, que inclui o cluster Arches. 

Observações como essas estão ajudando os pesquisadores a desenvolver um modelo para entender as galáxias distantes, que são frequentemente muito distantes até mesmo para os telescópios mais poderosos de se ver claramente, e finalmente aprender como o universo funciona.

Plumas de água que podem estar em erupção da lua Europa de Júpiter, sugeridas pelos dados das naves espaciais Galileo e Hubble da NASA, contêm, no máximo, a quantidade de água em uma piscina olímpica. 

image
Plumas de água na lua de Júpiter, Europa, detectada pela sonda Galileo e pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA, contêm, no máximo, a quantidade de água em uma piscina olímpica. Este limite superior é crucial para os estudos em curso que ajudarão a revelar se a Europa possui os ingredientes para sustentar a vida. www.nasa.gov

As observações da SOFIA em 2017 não detectaram diretamente a pluma, mas estabeleceram um limite superior de quanto a água poderia estar nas plumas. Este limite superior é crucial para estudos em andamento que analisarão o conteúdo das plumas e investigarão suas origens, o que ajudará a revelar se a Europa possui os ingredientes para sustentar a vida.