Número de mortos em Moçambique pode ultrapassar 1.000, mais de 15.000 pessoas estão desaparecidas após destruição massiva do Ciclone Tropical "Idai".

MAIS NOTÍCIAS

Milhares de pessoas ainda precisam ser resgatadas após um ciclone devastador atingir os países da África Austral. Espera-se que o número de mortos atinja pelo menos 1.000 pessoas, com uma estimativa de 15.000 pessoas ainda desaparecidas. Os sobreviventes estão enfrentando uma crise humanitária, com os sistemas de água e saneamento fortemente danificados pela tempestade.

Milhares de pessoas estão fazendo uma viagem sinistra até à cidade da Beira, em Moçambique, que, embora fortemente danificada, é agora um centro de esforços de salvamento. Alguns caminhavam por estradas esculpidas pelas águas revoltas, enquanto outros eram transportados por pescadores locais. Helicópteros saíram à chuva para mais um dia de esforços para encontrar pessoas agarradas a telhados e árvores. O número confirmado de mortes no Zimbábue, vizinho de Moçambique e Maláui, superou 500 na quinta-feira, com centenas mais temidas em áreas totalmente submersas pelo ciclone Idai. Aqueles que chegam à Beira …

Radiação é detectada em equipamentos de cremação um mês após o paciente ter recebido o radiofármaco.


Contaminação por radiação em um crematório foi observada após a cremação de um paciente que foi tratado com lutécio Lu 177 dotatato. Além disso, uma quantidade mínima de tecnécio Tc 99m foi detectada no operador crematório. 

Imagem do crematório: Georg Lippitsch (sem o símbolo de radiação)

“Os radiofármacos apresentam um desafio de segurança único e muitas vezes negligenciado postmortem”, escreveu Nathan Y. Yu, MD, departamento de radiação oncológica da Mayo Clinic em Phoenix, Arizona. 

“A cremação de um paciente exposto volatiliza o radiofármaco, que pode então ser inalado pelos trabalhadores (ou liberado na comunidade adjacente) e resultar em maior exposição do que em um paciente vivo. 
As regulamentações para a cremação de pacientes expostos variam por estado, bem como internacionalmente, e não há regulamentações em nível federal nos Estados Unidos. ”

A radiação foi detectada em vários equipamentos utilizados durante a cremação, um mês após o primeiro paciente ter recebido o radiofármaco em questão, lutécio Lu 177 dotatato
Nenhum dos radiofármacos específicos foi detectado na urina do operador crematório, mas os investigadores detectaram tecnécio Tc 99m.

"Dada a contaminação deste radioisótopo inesperado, é plausível que o operador do crematório tenha sido exposto ao tecnécio 99c 99m volatilizado enquanto cremava outros restos humanos", escreveram os autores. 

"Embora outros relatos de casos tenham descrito potenciais preocupações de segurança após a cremação de pacientes tratados com radiofármacos, incluindo ítrio Y 90 e iodo I 131, a contaminação de instalações não foi, até onde sabemos, observada."

No Arizona, onde isso ocorreu, não existem regulamentações relacionadas à cremação de pacientes que receberam um radiofármaco. Em estados como a Flórida, observaram os autores, tais políticas existem.

"Mais estudos são necessários para avaliar a frequência e o alcance da contaminação por radiação e os efeitos na saúde de exposições repetidas ou prolongadas de empregados em crematórios nos Estados Unidos, especialmente porque a taxa de cremação foi superior a 50% em 2017", concluíram os autores.

“Futuros protocolos de segurança para radiofármacos devem incluir o gerenciamento pós-morte, como a avaliação da radioatividade em pacientes falecidos antes da cremação e a padronização da notificação de crematórios.”

Fonte: RadiologyBusiness / https://jamanetwork.com