Bolsonaro muda a Lei Maria da Penha para proteger as mulheres efetivamente.

MAIS NOTÍCIAS

Publicada lei que garante mais proteção à mulher vítima de violência. As medidas que alteram a Lei Maria da Penha começam a valer hoje.

A Lei Maria da Penha prevê, a partir de agora, a aplicação de medidas protetivas de urgência a mulheres ou a seus dependentes ameaçados de violência doméstica ou familiar. O Diário Oficial da União publica hoje (14) a lei sancionada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, com as alterações que darão mais rapidez nas decisões judiciais e policiais.
De acordo com nova norma, quando constatada a existência de risco atual ou iminente à vida ou à integridade física da mulher, ou de seus dependentes, o “agressor será imediatamente afastado do lar, domicílio ou local de convivência” com a vítima, medida que pode ser adotada pela autoridade judicial; pelo delegado de polícia; ou pelo policial, quando o município não for sede de comarca e não houver delegado disponível no momento da denúncia.
A lei prevê também que, quando a aplicação das m…

Radiação é detectada em equipamentos de cremação um mês após o paciente ter recebido o radiofármaco.


Contaminação por radiação em um crematório foi observada após a cremação de um paciente que foi tratado com lutécio Lu 177 dotatato. Além disso, uma quantidade mínima de tecnécio Tc 99m foi detectada no operador crematório. 

Imagem do crematório: Georg Lippitsch (sem o símbolo de radiação)

“Os radiofármacos apresentam um desafio de segurança único e muitas vezes negligenciado postmortem”, escreveu Nathan Y. Yu, MD, departamento de radiação oncológica da Mayo Clinic em Phoenix, Arizona. 

“A cremação de um paciente exposto volatiliza o radiofármaco, que pode então ser inalado pelos trabalhadores (ou liberado na comunidade adjacente) e resultar em maior exposição do que em um paciente vivo. 
As regulamentações para a cremação de pacientes expostos variam por estado, bem como internacionalmente, e não há regulamentações em nível federal nos Estados Unidos. ”

A radiação foi detectada em vários equipamentos utilizados durante a cremação, um mês após o primeiro paciente ter recebido o radiofármaco em questão, lutécio Lu 177 dotatato
Nenhum dos radiofármacos específicos foi detectado na urina do operador crematório, mas os investigadores detectaram tecnécio Tc 99m.

"Dada a contaminação deste radioisótopo inesperado, é plausível que o operador do crematório tenha sido exposto ao tecnécio 99c 99m volatilizado enquanto cremava outros restos humanos", escreveram os autores. 

"Embora outros relatos de casos tenham descrito potenciais preocupações de segurança após a cremação de pacientes tratados com radiofármacos, incluindo ítrio Y 90 e iodo I 131, a contaminação de instalações não foi, até onde sabemos, observada."

No Arizona, onde isso ocorreu, não existem regulamentações relacionadas à cremação de pacientes que receberam um radiofármaco. Em estados como a Flórida, observaram os autores, tais políticas existem.

"Mais estudos são necessários para avaliar a frequência e o alcance da contaminação por radiação e os efeitos na saúde de exposições repetidas ou prolongadas de empregados em crematórios nos Estados Unidos, especialmente porque a taxa de cremação foi superior a 50% em 2017", concluíram os autores.

“Futuros protocolos de segurança para radiofármacos devem incluir o gerenciamento pós-morte, como a avaliação da radioatividade em pacientes falecidos antes da cremação e a padronização da notificação de crematórios.”

Fonte: RadiologyBusiness / https://jamanetwork.com