EBOLA - 1.400 pessoas morreram até agora no segundo maior surto da história, mas segundo a OMS, ainda não é uma emergência internacional.

MAIS NOTÍCIAS

A epidemia do vírus Ebola na África Ocidental foi o surto mais disseminado da doença na história, matando mais de 11.000 pessoas e se espalhando para dez países, incluindo Libéria, Serra Leoa, Espanha e Estados Unidos.

Em 14 de junho, a Organização Mundial de Saúde divulgou uma declaração que outro surto de Ebola na República Democrática do Congo e em Uganda é uma emergência de saúde na região, mas não atende aos critérios de uma emergência internacional. A ONU também declarou que o surto ainda não é uma emergência global, mas é "um evento extraordinário" de profunda preocupação.
No entanto, as autoridades estão preocupadas com a disseminação da doença e com o fato de não haver dinheiro suficiente para combatê-la.

"O Comitê está profundamente decepcionado com o fato de a OMS e os países afetados não terem recebido o financiamento e os recursos necessários para este surto", diz a declaração da OMS. "A comunidade internacional deve aumentar o finan…

Cientistas israelenses "imprimiram" o primeiro coração vascularizado em 3D usando as próprias células do paciente.

MAIS NOTÍCIAS

Avanço Global
Em um grande avanço, o coração artificial combina completamente com as propriedades celulares e anatômicas do paciente´.
Tel Aviv University, Israel

Em um grande avanço médico, os pesquisadores da Universidade de Tel Aviv "imprimiram" o primeiro coração vascularizado 3D do mundo usando células e materiais biológicos de um paciente. Até agora, os cientistas da medicina regenerativa - um campo posicionado na encruzilhada da biologia e da tecnologia - conseguiram imprimir apenas tecidos simples sem vasos sanguíneos.
"Esta é a primeira vez que alguém em qualquer lugar conseguiu projetar e imprimir um coração inteiro repleto de células, vasos sanguíneos, ventrículos e câmaras", diz o professor Tal Dvir, da Escola de Biologia Molecular e Biotecnologia da TAU, Departamento de Ciência e Engenharia de Materiais. Centro de Nanociência e Nanotecnologia e Centro Sagol de Biotecnologia Regenerativa, que liderou a pesquisa para o estudo.
A doença cardíaca é a principal causa de morte entre homens e mulheres nos Estados Unidos. O transplante cardíaco é atualmente o único tratamento disponível para pacientes com insuficiência cardíaca terminal. Dada a terrível escassez de doadores de coração, a necessidade de desenvolver novas abordagens para regenerar o coração doente é urgente.

Tel Aviv University, Israel

"Este coração é feito de células humanas e materiais biológicos específicos do paciente. Em nosso processo, esses materiais servem como bioinks, substâncias feitas de açúcares e proteínas que podem ser usadas para impressão 3D de modelos complexos de tecidos", diz Prof. Dvir. "As pessoas conseguiram imprimir em 3D a estrutura de um coração no passado, mas não com células ou vasos sanguíneos. Nossos resultados demonstram o potencial de nossa abordagem para a engenharia de reposição de tecido e órgãos personalizada no futuro".

A pesquisa para o estudo foi conduzida em conjunto pelo Prof. Dvir, o Dr. Assaf Shapira da Faculdade de Ciências da Vida da TAU e Nadav Moor, um estudante de doutorado no laboratório do Prof. Dvir.


"Neste estágio, nosso coração 3D é pequeno, do tamanho do coração de um coelho", explica o Prof. Dvir. "Mas corações humanos maiores requerem a mesma tecnologia."

O segredo para um novo coração

Para a pesquisa, uma biópsia de tecido adiposo foi retirada dos pacientes. Os materiais celulares e celulares do tecido foram então separados. Enquanto as células foram reprogramadas para se tornar células-tronco pluripotentes, a matriz extracelular (ECM), uma rede tridimensional de macromoléculas extracelulares, como colágeno e glicoproteínas, foi processada em um hidrogel personalizado que serviu como "tinta" de impressão.

Após serem misturadas com o hidrogel, as células foram eficientemente diferenciadas para células cardíacas ou endoteliais para criar emplastros cardíacos imuno-compatíveis específicos do paciente com vasos sanguíneos e, subsequentemente, um coração inteiro.
Segundo o Prof. Dvir, o uso de materiais específicos para pacientes "nativos" é crucial para o sucesso da engenharia de tecidos e órgãos.

Tel Aviv University, Israel

"A biocompatibilidade dos materiais de engenharia é crucial para eliminar o risco de rejeição do implante, o que compromete o sucesso de tais tratamentos", diz o Prof. Dvir. "Idealmente, o biomaterial deve possuir as mesmas propriedades bioquímicas, mecânicas e topográficas dos próprios tecidos do paciente. Aqui, podemos relatar uma abordagem simples para tecidos cardíacos grossos, vascularizados e perfuráveis ​​impressos em 3D que combinam completamente com os tecidos imunológicos, celulares, bioquímicos e propriedades anatômicas do paciente ".

Qual órgão você gostaria?
Os pesquisadores agora planejam cultivar os corações impressos no laboratório e "ensiná-los a se comportar" como corações, diz o professor Dvir. Eles então planejam transplantar o coração impresso em 3D em modelos animais.

"Precisamos desenvolver ainda mais o coração impresso", conclui ele. "As células precisam formar uma capacidade de bombeamento; atualmente, elas podem se contrair, mas precisamos que trabalhem juntas. Nossa esperança é que tenhamos sucesso e provemos a eficácia e a utilidade de nosso método."

"Talvez, daqui a dez anos, haja impressores de órgãos nos melhores hospitais do mundo, e esses procedimentos serão conduzidos rotineiramente."

Fonte: Tel Aviv University, Israel