EBOLA - 1.400 pessoas morreram até agora no segundo maior surto da história, mas segundo a OMS, ainda não é uma emergência internacional.

MAIS NOTÍCIAS

A epidemia do vírus Ebola na África Ocidental foi o surto mais disseminado da doença na história, matando mais de 11.000 pessoas e se espalhando para dez países, incluindo Libéria, Serra Leoa, Espanha e Estados Unidos.

Em 14 de junho, a Organização Mundial de Saúde divulgou uma declaração que outro surto de Ebola na República Democrática do Congo e em Uganda é uma emergência de saúde na região, mas não atende aos critérios de uma emergência internacional. A ONU também declarou que o surto ainda não é uma emergência global, mas é "um evento extraordinário" de profunda preocupação.
No entanto, as autoridades estão preocupadas com a disseminação da doença e com o fato de não haver dinheiro suficiente para combatê-la.

"O Comitê está profundamente decepcionado com o fato de a OMS e os países afetados não terem recebido o financiamento e os recursos necessários para este surto", diz a declaração da OMS. "A comunidade internacional deve aumentar o finan…

Grande meteoro brilhante e barulhento, com uma longa cauda verde e amarela, explodiu no céu sobre a Sibéria.


Este é o terceiro maior evento de meteoros na Rússia desde 18 de dezembro.
Brilhante e barulhento, com uma longa cauda verde e amarela, foi filmado por múltiplos observadores na região de Krasnoyarsk, em 6 de abril de 2019.

siberiantimes

Os moradores a descreveram como incrivelmente brilhante, "semelhante à luz e às faíscas criadas durante o intenso trabalho de soldagem".
O fenômeno causou medo no chão. "Soava como um avião em chamas. Eu fiquei com muito medo do barulho e do brilho que ele criou", disse um dos moradores.
O objeto se dividiu em várias partes antes de desaparecer no céu, em algum lugar sobre a região de Irkutsk.

siberiantimes
siberiantimes

O ministério local de emergências confirmou que registrou um meteoro e disse que isso não representa uma ameaça para as pessoas ou a infraestrutura.
siberiantimes
Fonte: siberiantimes