RÚSSIA - Níveis de radiação aumentam 16 vezes após explosão de foguete com 5 mortes.

MAIS NOTÍCIAS

A agência nuclear estatal da Rússia, Rosaton, informou que o acidente ocorreu durante teste de um motor em uma plataforma marítima no Mar Branco, provocando a morte de pelo menos cinco cientistas e ferindo três.


A Rússia reconheceu neste sábado, após dois dias de silêncio, que a explosão ocorrida na última quinta-feira em uma base de lançamento de mísseis próxima do Ártico teve um caráter nuclear, com um saldo de cinco mortos.
Observem a onda de choque nos vídeos abaixo:

A explosão assustou as populações locais e fez com que as pessoas corressem às farmácias, nas cidades de Arkhangelsk e Severodvinsk, e esgotassem os estoques de iodo medicinal, usado para diminuir os efeitos da exposição à radiação.

Em comunicado, a agência nuclear russa, Rosatom, anunciou que cinco membros do seu quadro morreram na explosão e outras três pessoas sofreram queimaduras. Autoridades militares não informaram sobre a possível presença de combustível nuclear no acidente, que ocorreu na região d…

Katie Bouman: Liderou a criação do algoritmo que permitiu a captura de imagens de um buraco negro pela primeira vez.

MAIS NOTÍCIAS

A National Science Foundation revelou a foto nunca antes vista em 10 de abril de 2019.
Katie Bouman, 29 anos, é a pesquisadora que liderou a criação de um algoritmo que permitiu aos cientistas capturarem imagens de um buraco negro pela primeira vez. 


Enquanto ainda estudava no MIT, a cientista da computação Katie Bouman inventou um novo algoritmo para juntar dados coletados através da rede EHT. Bouman conduziu uma série elaborada de testes com o objetivo de garantir que a imagem da EHT não fosse resultado de alguma falha técnica. Em um estágio, isso envolveu a divisão da colaboração em quatro equipes separadas que analisaram os dados de forma independente até que estivessem absolutamente confiantes em suas descobertas.
Esse algoritmo levou à imagem de um buraco negro supermassivo no centro da galáxia M87. Bouman, trabalhando com mais de 200 cientistas, passou três anos dirigindo a verificação de imagens e a seleção de parâmetros de imagem, enquanto extraíam os “dados esparsos e barulhentos” de uma série de telescópios para fazer uma imagem.

O MIT compartilhou uma foto de Bouman ao lado de "pilhas de discos rígidos de dados de imagem do buraco negro". 
Eles compararam a criação de Bouman à pesquisa que permitiu aos astronautas pousarem na Lua, colocando uma imagem de Margaret Hamilton ao lado de Bouman. 
Hamilton, que também era cientista do MIT, recebeu o crédito por ter escrito o código de software crucial que permitiu à NASA tornar possível uma missão à Lua.

O Telescópio Event Horizon conta com uma técnica chamada interferometria. Isso é um pouco como tentar reconstruir uma pedra jogada em uma lagoa, colocando detectores ao redor da borda da lagoa para medir as ondulações enviadas. Da mesma forma, com o EHT, os sinais de todos os oito telescópios têm que ser combinados e alimentados através de um computador para transformar uma montanha de sinais incompreensíveis em uma imagem visual.

Bouman postou uma foto de sua reação imediata - "descrença" - depois de ver a imagem do buraco negro pela primeira vez

Isso apresentou um desafio computacional sem precedentes: a quantidade de dados coletados era tão grande que precisou ser enviada fisicamente para um local central, o MIT Haystack Observatory, na forma de meia tonelada de discos rígidos.
Desenvolver novos algoritmos sofisticados foi uma parte crucial para transformar os dados do EHT em uma imagem. Eles precisavam não apenas combinar os dados, mas também filtrar o ruído causado por fatores como a umidade atmosférica, que distorce as ondas de rádio e sincroniza precisamente os sinais capturados pelos telescópios mais distantes.

"Somos um grande grupo de astrônomos, físicos, matemáticos e engenheiros, e isso é o que foi necessário para alcançar algo antes impossível", disse Bouman.


3 anos atrás MIT estudante de pós-graduação Katie Bouman levou a criação de um novo algoritmo para produzir a primeira imagem de sempre de um buraco negro. Hoje, essa imagem foi liberada. 
Katie é Ph.D. em Engenharia Elétrica e atualmente é Professora do Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena.

Fontes: MIT / /heavy.com / theguardian