EBOLA - 1.400 pessoas morreram até agora no segundo maior surto da história, mas segundo a OMS, ainda não é uma emergência internacional.

MAIS NOTÍCIAS

A epidemia do vírus Ebola na África Ocidental foi o surto mais disseminado da doença na história, matando mais de 11.000 pessoas e se espalhando para dez países, incluindo Libéria, Serra Leoa, Espanha e Estados Unidos.

Em 14 de junho, a Organização Mundial de Saúde divulgou uma declaração que outro surto de Ebola na República Democrática do Congo e em Uganda é uma emergência de saúde na região, mas não atende aos critérios de uma emergência internacional. A ONU também declarou que o surto ainda não é uma emergência global, mas é "um evento extraordinário" de profunda preocupação.
No entanto, as autoridades estão preocupadas com a disseminação da doença e com o fato de não haver dinheiro suficiente para combatê-la.

"O Comitê está profundamente decepcionado com o fato de a OMS e os países afetados não terem recebido o financiamento e os recursos necessários para este surto", diz a declaração da OMS. "A comunidade internacional deve aumentar o finan…

Sharia - Pena de morte por apedrejamento para homossexuais entram em vigor em Brunei.

MAIS NOTÍCIAS

Apesar dos vários pedidos que foram chegando de vários quadrantes de todo o mundo, o Brunei não recuou e, por isso, desde esta quarta-feira, é já possível punir casos de adultério com apedrejamento até à morte ou amputar um membro em caso de roubo – mesmo que em causa esteja um ato cometido por uma criança.


Em discurso na manhã desta quarta, o sultão Hassanal Bolkiah enalteceu que o novo código penal será “fortalecimento” para o país.
O novo Código Penal de Brunei que prevê a pena de morte por apedrejamento para homossexuais e muçulmanos condenados por adultério, sodomia e violação, bom como amputação de membros por roubo, entrou esta quarta-feira em vigor.
O atual texto legislativo contempla ainda chicotadas para mulheres que abortam e criminaliza aqueles que insultam ou difamam Maomé, bem como as pessoas que expõem crianças muçulmanas a práticas e/ou crenças de uma religião diferente do Islão.


“A sharia, além de criminalizar e dissuadir atos que vão contra os ensinamentos do Islão, procura educar, respeitar e proteger os direitos legítimos de todas as pessoas, sociedades e nacionalidades de toda a fé e raça”, disse o sultão e primeiro-ministro do Brunei, Hassanl Bolkiah, defendendo a reforma na legislação.


O vice-diretor para a Ásia da Human Rights Watch (HRW), Phil Robertson, descreveu a reforma de Bolkiah, como uma “barbaridade” e uma “agressão à dignidade humana”, insistindo que o país “impõe punições arcaicas” para alguns atos que nem deviam ser considerados crime.

Celebridades de alto perfil como George Clooney, Ellen DeGeneres e Elton John pediram um boicote aos hotéis de luxo de propriedade de Brunei, incluindo o Beverly Hills Hotel, o Hotel Bel-Air em Los Angeles e o Dorchester em Londres.


Na terça-feira, os Estados Unidos uniram-se a outros países, incluindo Grã-Bretanha, França e Alemanha, para condenar as novas penalidades.
"Os Estados Unidos se opõem fortemente à violência, à criminalização e à discriminação contra grupos vulneráveis, incluindo mulheres em risco de violência, minorias religiosas e étnicas e lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e intersexuais", disse Robert Palladino, porta-voz do Departamento de Estado. , disse em um comunicado.



Fonte: https://zap.aeiou.pt