ATENÇÃO! Cinzas do Vulcão Ubinas sobre SP, PR e RJ!

MAIS NOTÍCIAS

Vulcão Ubinas, no Peru, registra maior explosão em 300 anos. Texto de Everton S. Gonçalves  Pluma de cinzas vulcânicas chegam sobre o centro sul do Brasil nessa manhã de sábado, originada da erupção do vulcão Ubinas no Peru.



Mais cedo estavam concentradas sobre PR e SP. Agora estão concentradas entre SP e RJ, avançando para o mar.  Como estão em altitudes bem elevadas, vai ser pouco sentido pela população. 
No máximo, o céu vai ficar cinzento durante o dia e o pôr do sol pode ser diferenciado, na luminosidade e cores, principalmente mais avermelhado e rosado.
Em 2015 as cinzas do Vulcão Cabulco, no Chile, chegaram ao Sudeste do Brasil. As imagens abaixo mostram o efeito óptico atmosférico causados pelas cinzas ao Pôr do Sol.



Mas vale destacar que cinzas vulcânicas são um grande risco para a aviação. Queromos acreditar que nossas autoridades estejam monitorando essa situação.




Com informações de Everton S. Gonçalves 
Em atualização...
Fique ligado! Acompanhe nosso SITE! Monitore…

Terremoto atinge cidade da Grande Curitiba.

MAIS NOTÍCIAS

TribunaParaná
Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP) confirmou na tarde desta terça-feira (23) que um terremoto foi registrado em Rio Branco do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba. O abalo sísmico foi classificado com a magnitude de 2,5 na escala Richter (que vai até 9), por volta das 4h30 da madrugada.




De acordo com o técnico em sismologia José Roberto Barbosa, da USP, o evento foi registrado após vários moradores da cidade relatarem um tremor. “Nós temos um aplicativo e recebemos diversos relatos da região de tremores durante a madrugada. Fomos checar os nossos dados e confirmamos a atividade”, relata Barbosa.

O técnico faz questão de destacar que a atividade é algo singular. “Quando ocorrem esses tremores de terras eles veem sozinhos. É uma ocorrência com relação a movimentação das placas tectônicas, que cria uma tensão em algumas regiões, resultando nesses pequenos tremores.

Essa não foi a primeira vez que a cidade registra atividades sísmicas. Em 2017, foi registrado um tremor de 3,5 grau na escala Richter, que assustou os moradores.

O locutor Elias Santos, morador de Rio Branco do Sul, gravou um vídeo no Facebook comentando o abalo. À reportagem, ele contou que estava acordado quando sentiu o tremor – que atingiu uma grande extensão do município e durou, a princípio, cerca de dois a três segundos. “Na hora deu pra perceber que tremeu toda a estrutura da casa. Eu estava em cima da cama e eu senti a cama tremendo”, relatou.

Segundo o morador, as características do terremoto são distintas de quando o solo do município treme por causa de explosões de minas, algo comum em Rio Branco do Sul por causa da extração de calcário. Por isso, moradores da cidade passaram o dia em polvorosa e com receio de que um novo abalo pudesse ocorrer.

“Várias pessoas começaram a comentar porque perceberam que não era da mina. Um dos motivos é porque o tremor atingiu uma área bem mais longe do que quando é explosão, e também o horário, aquela hora é difícil ter. E quando há estrondo de pedreira, de mina, essas coisas, a gente conhece porque primeiro vem o ruído do estrondo e depois o tremor. E nesse caso não”, afirmou.

Apesar de relatos nas redes sociais terem indicado pequenos danos em imóveis por causa do fenômeno, Santos disse que, de maneira geral, não houve prejuízo material . “Esse foi mais curso em termos de segundo. O outro [de 2017] foi maior. Mas naquela época veio aqui o pessoal da USP e eles deixaram bem claro para a gente que isso poderia voltar a acontecer”, apontou o locutor.

De acordo com o Centro de Sismologia da USP, o tremor de setembro de 2017 foi sentido num raio de até 100 km do epicentro. Àquela época, foi comunicado que uma movimentação na Zona da Falha da Lancinha – um dos mais importantes sistemas de falha geológica do Paraná – era a hipótese mais provável para explicar o terremoto de então.


TribunaParaná