ATENÇÃO! Cinzas do Vulcão Ubinas sobre SP, PR e RJ!

MAIS NOTÍCIAS

Vulcão Ubinas, no Peru, registra maior explosão em 300 anos. Texto de Everton S. Gonçalves  Pluma de cinzas vulcânicas chegam sobre o centro sul do Brasil nessa manhã de sábado, originada da erupção do vulcão Ubinas no Peru.



Mais cedo estavam concentradas sobre PR e SP. Agora estão concentradas entre SP e RJ, avançando para o mar.  Como estão em altitudes bem elevadas, vai ser pouco sentido pela população. 
No máximo, o céu vai ficar cinzento durante o dia e o pôr do sol pode ser diferenciado, na luminosidade e cores, principalmente mais avermelhado e rosado.
Em 2015 as cinzas do Vulcão Cabulco, no Chile, chegaram ao Sudeste do Brasil. As imagens abaixo mostram o efeito óptico atmosférico causados pelas cinzas ao Pôr do Sol.



Mas vale destacar que cinzas vulcânicas são um grande risco para a aviação. Queromos acreditar que nossas autoridades estejam monitorando essa situação.




Com informações de Everton S. Gonçalves 
Em atualização...
Fique ligado! Acompanhe nosso SITE! Monitore…

Baleia beluga, treinada pelo exército russo, é encontrada na Noruega.

MAIS NOTÍCIAS

Especialistas marinhos na Noruega acreditam ter encontrado uma baleia branca que foi treinada pela marinha russa como parte de um programa para usar mamíferos subaquáticos como uma força especial de operações.


Pescadores em águas perto da pequena vila de pescadores noruegueses de Inga relataram na semana passada que uma baleia beluga branca usando um estranho arreio havia começado a perseguir seus barcos de pesca.

"Nós íamos lançar redes quando vimos uma baleia nadando entre os barcos", disse o pescador Joar Hesten à emissora norueguesa NRK. "Ele veio para nós e, quando se aproximou, vimos que tinha algum tipo de arnês."

O estranho comportamento da baleia, que procurava ativamente os navios e tentava puxar correias e cordas dos lados dos barcos, bem como o fato de estar usando um arreio apertado que parecia ser para uma câmera ou arma, erguido suspeitas entre especialistas marinhos de que o animal recebera treinamento militar pela vizinha Rússia.

Dentro do arreio, que agora foi removido da baleia, estavam as palavras “Equipamento de São Petersburgo”.

O pescador disse que a baleia era muito mansa e parecia acostumada com seres humanos.

"Se essa baleia vem da Rússia - e há grandes razões para acreditar nisso - então não são cientistas russos, mas sim a marinha que fez isso", disse Martin Biuw, do Instituto de Pesquisa Marinha da Noruega.

Audun Rikardsen, professor do departamento de biologia ártica e marinha da Universidade Ártica da Noruega (UiT), disse à NRK: “Sabemos que na Rússia eles tiveram baleias domésticas em cativeiro e também que algumas delas aparentemente foram libertadas.

Depois, elas costumam procurar barcos. ”Ele disse que entrou em contato com pesquisadores russos que disseram que a baleia encontrada não tinha nada a ver com eles. "Eles me dizem que o mais provável é a marinha russa em Murmansk", disse Rikardsen.

Na década de 80, na Rússia Soviética, um programa tinha golfinhos recrutados para treinamento militar, sua visão afiada, discrição e boa memória, tornando-os instrumentos eficazes para a detecção de armas.


Este programa de mamíferos fechou nos anos 90. No entanto, um relatório de 2017 da TV Zvezda, uma estação de propriedade do ministério da defesa, revelou que a marinha russa tem treinado novamente baleias beluga, focas e golfinhos nariz-de-garrafa para fins militares em águas polares.

Nos últimos três anos, o presidente Vladimir Putin reabriu três antigas bases militares soviéticas ao longo de sua vasta costa ártica.



A recente pesquisa e treinamento foi feita pelo Murmansk Sea Biology Research Institute no norte da Rússia, em nome da marinha, para ver se as belugas poderiam ser usadas para “proteger entradas de bases navais” em regiões árticas, “ajudar mergulhadores em águas profundas e se necessário matar”. quaisquer estranhos que entrarem em seu território ”.

Enquanto isso, golfinhos e focas foram treinados para transportar ferramentas para mergulhadores e detectar torpedos, minas e outras munições que afundaram a profundidades de até 120 metros.

Registros de registros públicos do governo mostram que o Ministério da Defesa comprou cinco golfinhos de garrafa, com idades entre três e cinco anos, do Dolphinarium de Utrish, em Moscou, em 2016, a um custo de £ 18.000.


Durante sua pesquisa, o instituto de pesquisa de biologia marinha de Murmansk concluiu que os golfinhos e focas eram muito mais adequados para o treinamento e clima ártico do que as baleias beluga.

As baleias foram consideradas muito sensíveis ao frio e não tinham o mesmo “alto profissionalismo” das focas, que tinham uma lembrança muito melhor para lembrar os comandos orais.

greenworldwarriors