RÚSSIA - Níveis de radiação aumentam 16 vezes após explosão de foguete com 5 mortes.

MAIS NOTÍCIAS

A agência nuclear estatal da Rússia, Rosaton, informou que o acidente ocorreu durante teste de um motor em uma plataforma marítima no Mar Branco, provocando a morte de pelo menos cinco cientistas e ferindo três.


A Rússia reconheceu neste sábado, após dois dias de silêncio, que a explosão ocorrida na última quinta-feira em uma base de lançamento de mísseis próxima do Ártico teve um caráter nuclear, com um saldo de cinco mortos.
Observem a onda de choque nos vídeos abaixo:

A explosão assustou as populações locais e fez com que as pessoas corressem às farmácias, nas cidades de Arkhangelsk e Severodvinsk, e esgotassem os estoques de iodo medicinal, usado para diminuir os efeitos da exposição à radiação.

Em comunicado, a agência nuclear russa, Rosatom, anunciou que cinco membros do seu quadro morreram na explosão e outras três pessoas sofreram queimaduras. Autoridades militares não informaram sobre a possível presença de combustível nuclear no acidente, que ocorreu na região d…

A Missão AZURE da NASA estuda as Auroras!

MAIS NOTÍCIAS

A missão AZURE foi realizada com sucesso no dia 5 de abril, no Centro Espacial Andøya, na Noruega. 

Fotos de: Frank Olsen/Noruega, Ole Salomonsen/Noruega, Chad Blakley/Suiça

A missão AZURE foi projetada para fazer medições da densidade atmosférica e da temperatura com instrumentos nos foguetes e posicionar traçadores de gás visíveis, trimetil-alumínio (TMA) e uma mistura de bário / estrôncio, que ioniza quando exposta à luz solar. Os vapores foram liberados sobre o mar da Noruega em 71 a 150 milhas de altitude.

Nuvens coloridas formadas pela liberação de vapores dos dois foguetes AZURE permitem ao cientista medir os ventos da aurora.
Créditos: NASA / Lee Wingfield

Essas misturas, usando substâncias semelhantes às encontradas em fogos de artifício, criaram nuvens coloridas que permitem aos pesquisadores rastrear o fluxo de partículas neutras e carregadas com o vento da aurora. Ao rastrear o movimento destas nuvens coloridas através da fotografia terrestre e triangular a sua posição momento a momento em três dimensões, o AZURE fornecerá dados valiosos sobre o fluxo vertical e horizontal de partículas em duas regiões chave da ionosfera ao longo de uma gama de altitudes diferentes.

Chad Blakley/Suiça

Muitas pessoas acreditam que a atmosfera da Terra "acaba" a uns 20 a 30 quilômetros acima do solo. No entanto, o ar que respiramos não termina abruptamente em algum ponto pré-definido - em vez disso, ele gradualmente se afina. A 150 a 200 milhas acima da Terra, o “ar” é extremamente fino e essas nuvens de vapor se dispersam rapidamente e seguem os ventos que podem se mover a algumas centenas de quilômetros por hora.

Frank Olsen/Noruega

AZURE é uma das nove missões conduzidas como parte da Iniciativa do Grande Desafio (GCI) - Cusp, uma série de missões de foguetes de sondagem internacionais planejadas para o lançamento em 2018 - 2020.

Cientistas da NASA e dos EUA estão se unindo à Noruega, Japão, Canadá e outros países para investigar a física do aquecimento e da precipitação de partículas nesta região chamada de cúspide geomagnética - um dos poucos lugares na Terra com fácil acesso ao vento solar eletricamente carregado que permeia o sistema solar.

Chad Blakley/Suiça

A NASA realizou anteriormente duas missões em dezembro de 2018 e duas em janeiro de 2019 como parte da iniciativa. As duas últimas missões da NASA - a Investigação de Aquecimento da Cúspide e a Experiência da Região da Cúspide - estão programadas para novembro de 2019.

Mais informações sobre o uso de traçadores de vapor pela NASA em estudos científicos estão disponíveis em:
https://www.nasa.gov/mission_pages/sounding-rockets/index.html

Funcionários da Wallops Flight Facility, da Nasa, na Virgínia, conduzem testes de carga útil para a missão AZURE no Centro Espacial Andøya, na Noruega.
Créditos: Wallops Flight Facility da NASA

O AZURE é apoiado pelo Programa de Foguetes Sonoros da NASA na Wallops Flight Facility da agência, na Virgínia. A Divisão de Heliofísica da NASA administra o programa de foguetes de sondagem.

Um dos dois foguetes Black Brant XI sai da plataforma de lançamento no Andøya Space Center na Noruega.
Créditos: NASA / Lee Wingfield
Fonte: NASA

Fique ligado! Acompanhe nosso SITE!
Monitore o Sol AQUI