ATENÇÃO! Cinzas do Vulcão Ubinas sobre SP, PR e RJ!

MAIS NOTÍCIAS

Vulcão Ubinas, no Peru, registra maior explosão em 300 anos. Texto de Everton S. Gonçalves  Pluma de cinzas vulcânicas chegam sobre o centro sul do Brasil nessa manhã de sábado, originada da erupção do vulcão Ubinas no Peru.



Mais cedo estavam concentradas sobre PR e SP. Agora estão concentradas entre SP e RJ, avançando para o mar.  Como estão em altitudes bem elevadas, vai ser pouco sentido pela população. 
No máximo, o céu vai ficar cinzento durante o dia e o pôr do sol pode ser diferenciado, na luminosidade e cores, principalmente mais avermelhado e rosado.
Em 2015 as cinzas do Vulcão Cabulco, no Chile, chegaram ao Sudeste do Brasil. As imagens abaixo mostram o efeito óptico atmosférico causados pelas cinzas ao Pôr do Sol.



Mas vale destacar que cinzas vulcânicas são um grande risco para a aviação. Queromos acreditar que nossas autoridades estejam monitorando essa situação.




Com informações de Everton S. Gonçalves 
Em atualização...
Fique ligado! Acompanhe nosso SITE! Monitore…

TURQUIA - No topo de uma montanha o solo cospe fogo. As Chamas da Quimera queimam por milênios.


Um grupo de cientistas descobriu que tipos incomuns de metano escapam da terra profunda em centenas de locais.
Os mitos locais afirmaram que esses incêndios eram o sopro de um monstro - parte bode, parte cobra, parte leão. 

ruyavillenpark

Hoje sabemos que o combustível para esta montanha flamejante é o gás que escapa das profundezas da terra. Mas não vem da decadência de plantas antigas, algas ou vida animal, como os combustíveis fósseis. Em vez disso, esse gás vem de uma reação química dentro das rochas. E uma série de estudos publicados por um grupo de cientistas internacionais conhecido como o Observatório de Carbono Profundo está mostrando que esta fonte de gás é mais comum em nosso planeta do que anteriormente conhecido.


“Descobrimos esses tipos incomuns de metano em muitos locais. Não é um fenômeno raro ”, disse Giuseppe Etiope, membro do grupo que ajudou a descobrir a causa das Chamas de Quimera em 2014.

Durante a última década, a comunidade de cientistas do observatório encontrou centenas de depósitos de gás em mais de 20 países e vários pontos no fundo do mar que são semelhantes às Chamas de Quimera. E eles aprenderam que a receita para essas emissões de gases é muito mais complexa do que se pensava anteriormente.

“Agora temos uma melhor compreensão da maneira diferente como podemos produzir metano na Terra. Não existe apenas o regime biológico como o conhecemos”, disse Bénédicte Menez, um geobiologista do Instituto de Física do Globo de Paris.

spic.one

O metano abiótico, como é chamado, não envolve plantas decompostas, animais ou algas presas em rochas sedimentares, como o metano biótico. As reações químicas que produzem esses gases envolvem água e rochas, às vezes, quilômetros abaixo da superfície da Terra.

Durante anos, os pesquisadores do Deep Carbon Observatory coletaram e analisaram amostras de gás de centenas de locais diferentes. E usando ferramentas especiais para descobrir de onde veio o metano, eles descobriram a receita básica da Terra: Retire o hidrogênio da água. Misture com carbono inorgânico de minerais ou gás. Adicione outro mineral rico em metal para fazer o processo funcionar e o metano voilà-abiótico.

spic.one

O hidrogênio geralmente vem da serpentinização, quando a água se infiltra normalmente através das rochas do manto. Mas a receita varia. Locais diferentes podem usar diferentes minerais ou carbonos provenientes de seus ambientes: O hidrogênio pode vir da fricção ou da radiólise, em vez da serpentinização. As temperaturas podem variar de menos de 250 graus Fahrenheit, que ainda podem suportar vida, até uns 900 graus Fahrenheit, o que não pode.

Assim, os fogos da quimera foram o resultado de calcário rico em dióxido de carbono, ou carbonato de cálcio e rochas serpentinizadas ricas em hidrogênio que foram encharcadas pela água da chuva.

spic.one

Em contraste, no oceano, em locais como o campo de fontes hidrotermais de Lost City, a maioria do metano se formou sob temperaturas mais altas produzidas quando rochas do manto outrora enterradas foram expostas e serpentinizadas pela circulação de água do mar.

Em cada caso, vemos a quimiossíntese - a versão profunda da fotossíntese da Terra. Apenas sua energia vem de uma reação química, não do sol. Ambos os processos transformam moléculas inorgânicas em produtos orgânicos que a vida pode usar, que é a base de todos os ecossistemas do planeta.
Em alguns casos, a quimiossíntese também produz aminoácidos, os blocos de construção da vida.
Com as novas ferramentas projetadas para estudar o subsolo da Terra, os pesquisadores podem determinar se o metano veio da vida antiga ou de rochas sem vida. 

Ao fazê-lo, eles também revelam segredos sobre como a vida pode ter surgido neste planeta - e a possibilidade de vida em outros lugares, como dentro de Marte ou no leito oceânico da lua gelada de Saturno, Encélado.

Encélado

Cientistas como o Dr. Menez pensam que a quimiossíntese pode ter ocorrido antes da fotossíntese e permitido o surgimento de micróbios que comem e produzem metano. "Sabemos que a vida não surgiu do zero", disse ela. E encontrando paralelos na maneira como micróbios vivos e reações químicas sem vida produzem metano, os micróbios também podem conter pistas sobre sua origem. No início da história da Terra, “a vida pode ter imitado processos geológicos que ocorreram naturalmente”, disse ela.

No futuro, os pesquisadores esperam saber quanto desse metano está lá e onde está sendo armazenado.

nytimes