RÚSSIA - Níveis de radiação aumentam 16 vezes após explosão de foguete com 5 mortes.

MAIS NOTÍCIAS

A agência nuclear estatal da Rússia, Rosaton, informou que o acidente ocorreu durante teste de um motor em uma plataforma marítima no Mar Branco, provocando a morte de pelo menos cinco cientistas e ferindo três.


A Rússia reconheceu neste sábado, após dois dias de silêncio, que a explosão ocorrida na última quinta-feira em uma base de lançamento de mísseis próxima do Ártico teve um caráter nuclear, com um saldo de cinco mortos.
Observem a onda de choque nos vídeos abaixo:

A explosão assustou as populações locais e fez com que as pessoas corressem às farmácias, nas cidades de Arkhangelsk e Severodvinsk, e esgotassem os estoques de iodo medicinal, usado para diminuir os efeitos da exposição à radiação.

Em comunicado, a agência nuclear russa, Rosatom, anunciou que cinco membros do seu quadro morreram na explosão e outras três pessoas sofreram queimaduras. Autoridades militares não informaram sobre a possível presença de combustível nuclear no acidente, que ocorreu na região d…

Parélio ou sundog, saiba mais sobre esse fenômeno óptico atmosférico.

MAIS NOTÍCIAS

Um parélio ou sundog na meteorologia, é um fenômeno óptico atmosférico que consiste em um ponto brilhante à esquerda e/ou à direita do Sol. Dois parélios solares geralmente flanqueiam o Sol dentro de um halo de 22°.


O parélio é um membro da família de halos, causado pela refração da luz solar por cristais de gelo na atmosfera. 
Os parélios geralmente aparecem como um par de manchas de luz sutilmente coloridas, cerca de 22° à esquerda e à direita do Sol, e à mesma altura acima do horizonte como o Sol. 


Eles podem ser vistos em qualquer lugar do mundo durante qualquer estação, mas nem sempre são claramente visíveis ou brilhantes. Os parélios são melhor vistos e mais visíveis quando o Sol está perto do horizonte.


É um fenômeno óptico atmosférico associado principalmente com a reflexão e refração da luz solar por pequenos cristais de gelo provenientes de nuvens cirrus ou cirrostratus. Frequentemente, dois parélios podem ser observados (um de cada lado do sol) simultaneamente.


E pode formar na Lua
Raro Paraselene ou Moon Dog


Formação e características
Os parélios são comumente causados ​​pela refração e dispersão de luz de cristais de gelo hexagonais em forma de placa, tanto em suspensão em nuvens cirros ou cirrostratos altas quanto em cirrostratos ou à deriva em um ar úmido gelado em baixos níveis como pó de diamante. 

Os cristais atuam como prismas, dobrando os raios de luz passando por eles com uma deflexão mínima de 22 °. À medida que os cristais flutuam suavemente para baixo com seus grandes rostos hexagonais quase horizontais, a luz solar é refratada horizontalmente e os parélios são vistos à esquerda e à direita do Sol. Placas maiores ondulam mais e, assim, produzem parélios mais altos. 

Os parélios são de cor vermelha ao lado mais próximo do Sol; mais longe as cores classificam as laranjas ao azul. No entanto, as cores se sobrepõem consideravelmente e também são silenciadas, nunca são puras ou saturadas.  As cores do parélio se fundem no branco do círculo parélico (se o último for visível).  

Os mesmos cristais de gelo em forma de placa que causam parélios também são responsáveis ​​pelo arco circunzenital colorido, o que significa que esses dois tipos de halo tendem a co-ocorrer. 
O último é muitas vezes perdido pelos espectadores, no entanto, uma vez que está localizado mais ou menos diretamente sobre a cabeça. 

Outra variedade de halo frequentemente vista junto com os parélios é o halo de 22°, que forma um anel a aproximadamente a mesma distância angular do Sol que os cães solares, aparentemente para interconectá-los. Conforme o Sol sobe mais alto, no entanto, os raios que atravessam os cristais da placa são cada vez mais distorcidos do plano horizontal, fazendo com que seu ângulo de desvio aumente e que os cães solares se movam mais longe do halo de 22°, enquanto permanecem na mesma elevação.

É possível prever as formas de parélios como seria visto em outros planetas e luas. Marte pode ter parélios formados por gelo de água e de dióxido de carbono. Nos planetas gasosos gigantes - Júpiter, Saturno, Urano e Netuno - outros cristais formam nuvens de amônia, metano e outras substâncias que podem produzir halos com quatro ou mais parélios.

Etimologia
Parélio vem do grego antigo: παρήλιον (parēlion, "ao lado do sol"; de παρά (para, 'ao lado') e ἥλιος (helios, 'sol')). 

Wikipédia

Fique ligado! Acompanhe nosso SITE!
Monitore as tempestades AQUI
Monitore o Sol AQUI