RÚSSIA - Níveis de radiação aumentam 16 vezes após explosão de foguete com 5 mortes.

MAIS NOTÍCIAS

A agência nuclear estatal da Rússia, Rosaton, informou que o acidente ocorreu durante teste de um motor em uma plataforma marítima no Mar Branco, provocando a morte de pelo menos cinco cientistas e ferindo três.


A Rússia reconheceu neste sábado, após dois dias de silêncio, que a explosão ocorrida na última quinta-feira em uma base de lançamento de mísseis próxima do Ártico teve um caráter nuclear, com um saldo de cinco mortos.
Observem a onda de choque nos vídeos abaixo:

A explosão assustou as populações locais e fez com que as pessoas corressem às farmácias, nas cidades de Arkhangelsk e Severodvinsk, e esgotassem os estoques de iodo medicinal, usado para diminuir os efeitos da exposição à radiação.

Em comunicado, a agência nuclear russa, Rosatom, anunciou que cinco membros do seu quadro morreram na explosão e outras três pessoas sofreram queimaduras. Autoridades militares não informaram sobre a possível presença de combustível nuclear no acidente, que ocorreu na região d…

Construa um detector de raios cósmicos e veja as trilhas deixadas pelas partículas do espaço sideral!

MAIS NOTÍCIAS

https://home.cern
Raios cósmicos são partículas subatômicas de alta energia que constantemente bombardeiam a Terra do espaço sideral. Milhares dessas partículas passam pelo nosso planeta e, através de nós, a cada segundo. Essa radiação natural é inofensiva e invisível, mas os rastros que as partículas deixam para trás podem ser vistos usando uma câmara de nuvens.


Ao longo dos anos, vários experimentos no CERN usaram câmaras de nuvens para detectar partículas. O experimento de Gargamelle, por exemplo - projetado para detectar neutrinos - tinha 4,8 metros de comprimento, 2 metros de diâmetro e pesava 1000 toneladas. O grande experimento da CLOUD no CERN hoje também usa uma câmara de nuvens, para investigar os efeitos dos raios cósmicos na formação de nuvens.


Embora as câmaras de nuvens no CERN levem muitos anos para planejar e construir, você pode criar seu próprio detector de raios cósmicos na sala de aula, desde que tenha acesso aos materiais certos. No entanto, certifique-se de que seu professor ou responsável esteja lá para ajudá-lo - você precisará ter cuidado ao manusear gelo seco e isopropanol, o que pode ser perigoso.


No vídeo acima, Sarah Charley, comunicadora do US / LHC, nos mostra como fazer uma “Câmara de Nuvem de Difusão Continuamente Sensível”. Originalmente desenvolvido na UC Berkeley em 1938, este tipo de câmara de nuvem usa álcool evaporado para criar uma “nuvem” extremamente sensível à passagem de partículas. Baseia-se nos mesmos princípios que determinam a formação de nuvens no céu. Se o ar estiver saturado com vapor de água e depois resfriado, minúsculas gotas de névoa se formarão ao redor de pedaços flutuantes de poeira ou outro material. Eles também formam prontamente em torno de íons; átomos eletricamente carregados ou grupos de átomos. Quando uma partícula carregada, como um próton, passa pela câmara, ela deixa para trás um rastro de íons ao atingir moléculas no ar ao longo de seu caminho e arrancar elétrons. Gotas de névoa se formam ao redor desses íons, criando uma trilha de nuvem.


Estudando a pista, ou uma fotografia dela, podemos determinar a energia e a carga elétrica da partícula que a produziu. Cada tipo de partícula possui uma trilha de nuvem característica, que varia em forma, comprimento e largura. Muitas partículas elementares foram descobertas através de sua trilha característica de nuvem.


Para instruções mais detalhadas e um tutorial completoveja aqui.

Fique ligado! Acompanhe nosso SITE!
Monitore as tempestades AQUI
Monitore o Sol AQUI